Publicado 09 de Julho de 2015 - 10h00

Por João Nunes/Especial para o Correio Popular

Cena do filme 'Cidades de Papel', que tem direção de Jake Schreier

Divulgação

Cena do filme 'Cidades de Papel', que tem direção de Jake Schreier

Comecemos com um elogio: John Green tem inescapável apelo entre os jovens e faz por merecê-lo. A adaptação de 'A Culpa é das Estrelas' (Josh Boone, 2014) para a tela resultou num filme bem bacana — daí certa expectativa que cercava a estreia do novo livro do escritor americano levado para os cinemas, 'Cidades de Papel' (Paper Towns, Estados Unidos, 2015), de Jake Schreier, que estreia nesta quinta-feira (9).

Margo Roth Spiegelman (Cara Delevingne), a paixão do protagonista Quentin Jacobsen (Nat Wolff), o chama insistentemente de “fofinho”. Pois esta é a melhor definição do filme. Sem o poderoso impulso dramático de 'A Culpa é das Estrelas', a mais recente adaptação de Green patina na quase falta de assuntos. Não que ele não os tenha; tem, contudo são frágeis demais.

Quentin vive do amor platônico por Margo e, uma noite, esta invade o quarto dele e o desafia a participar de umas vinganças — completamente alopradas. E não tente achar verossimilhança nas sequências das tais vinganças. No dia seguinte ela desaparece e ele terá de procurá-la usando um livro do poeta Walt Whitman — ela deixou pistas no livro (recurso mais que manjado). O restante é a busca do rapaz pela garota.

Entendemos que se trata de uma produção para adolescentes e, portanto, possui características próprias na forma de contar a história, nos temas recorrentes (ansiedade pelo sexo, baile de formatura, entre outros), na abordagem politicamente correta e na concepção certinha e clean.

Até mesmo a personagem misteriosa e fora dos padrões sociais, Margo, tem tratamento de luxo. Não se invade a privacidade dela nem é desancada porque não se encaixa nos padrões e nos planos de Quentin, que sonha fazer universidade, casar, ter filhos; ela, ao contrário, abomina tais planos.

Margo tem razão: Quentin é mesmo gracioso. Comportado, bom menino, animado, estudioso; enfim, o filho que toda mãe adoraria ter. Mas é só, porque o fio de história do roteiro de Scott Neustadter e Michael H. Weber não sustenta o longa.

Daí a sensação de que não acontece nada muito importante. Vamos acompanhando a relação da dupla e a de três amigos adolescentes — além de Quentin, há Ben (Austin Abrams ótimo no papel e responsável pelo alívio cômico) e Radar (Justice Smith). E tentamos embarcar na tal busca um tanto desinteressante, e lá pelas tantas passamos a ver um road movie (antes, parecia um roteiro de aventuras perigosas).

É natural que um filme para adolescentes tenha leveza, assim como gracinhas e piadas. E elogiável, neste caso, que os diálogos sejam bons, afiados e com boas tiradas. Ainda assim é pouco para dar consistência ao que vemos na tela, em que pese a simpatia que Quentin desperta.

Ao final, a impressão de Margo sobre Quentin e uma imagem entregue pelo próprio filme resumem a ópera. Quando com medo, à noite, Radar informa que dorme com um ursinho de pelúcia. Sem um grande drama ou um conflito forte, os produtores se contentaram em fazer um produto com tudo no lugar certo e milimetricamente pensado para alcançar o público desejado (negócios, afinal). O resultado é um filme fofinho feito ursinho de pelúcia.

Escrito por:

João Nunes/Especial para o Correio Popular