Publicado 16 de Julho de 2015 - 5h00

Por Jorge Massarolo

Jorge Massarolo, editor

Cedoc/ RAC

Jorge Massarolo, editor

Está difícil dirigir pelas ruas de Campinas. E não é só pelo número cada vez maior de veículos e buracos mas, usando uma expressão apropriada, pela falta de noção de nós, motoristas. Sim, me incluo porque também cometo algumas barbaridades involuntárias de vez em quando, nada grave, e sempre com um pedido de desculpas. No entanto, mais que respeitar as regras, falta cidadania, respeito e camaradagem nas ruas. E a tudo isso se alia a pressa infernal e o temível celular.

Cada vez mais os motoristas tentam conciliar falar ao celular ou escrever mensagens de texto enquanto dirigem, uma combinação perigosíssima. O que dizer do sujeito que se distrai com o celular e esquece que o semáforo abriu, abrindo uma sinfonia de buzinas atrás dele? E aqueles que esquecem de indicar que vão mudar de direção? Sério, parecem não saber para que serve aquela haste de plástico que fica logo abaixo do volante, no lado esquerdo. Será um cotonete gigante? E tem outros que não entendem que aquela luz piscando na frente e atrás do seu carro é um aviso — ou um pedido de licença — de que você pretende mudar de direção.

E os motoboys azucrinados que rasgam os corredores com suas chispantes motos para entregar a tal peça ou documento como se o mundo fosse acabar ali na esquina? Infelizmente, para alguns acaba mesmo. E o motorista de ônibus com seu “bruto”, que avança o bólido feito um “Mad Max” por ruas estreitíssimas, fazendo motoristas e passageiros apavorados se encolherem dentro dos carros?

Uma noite dessas ousei buzinar para um sujeito que, mesmo me vendo, cruzou o sinal vermelho, quase causando uma colisão. Não é que o sujeito deu uma freada brusca e voltou para me perseguir pelas ruas? Por sorte estava próximo de uma delegacia e entrei buzinando no estacionamento desta. Foi um baita susto.

Já vi muita ambulância e até carro da polícia “berrar” insistentemente para que o motorista desavisado abrisse passagem. E aquele sujeito que insiste em andar lentamente na pista da esquerda, como se o tempo fosse dele? A lei de trânsito diz que a pista da direita é para quem quer andar devagar e a da esquerda para trânsito rápido. Mas a cidade está cheia de motoristas que adoram andar lentamente pela pista da esquerda, provocando longas filas, buzinadas ou então forçando ultrapassagens ilegais pela direita.

Pesquisei para ver se não era eu que estava maluco, mas não. O artigo 30 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) diz que a pista da esquerda deve ser usada somente quando há intenção de fazer uma ultrapassagem. Feito isso, o motorista deve voltar para a pista da direita.

Já vi muitas vezes o lerdo da frente “segurar” o apressadinho que vem atrás. De acordo com o artigo 198, deixar de dar passagem pela esquerda é uma infração média, penalizada com multa. Resumindo, não é você que vai controlar a velocidade do apressadinho que vem dando sinal de luz e buzinando. Pode ser que seja um maluco querendo chegar mais cedo ao seu destino ou mostrar para a namorada o quanto ele é veloz e furioso no trânsito. Problema dele. Por outro lado, pode ser uma situação de emergência, alguém em risco de vida, por isso, dê passagem.

Simples assim. Se todos tiverem consciência desses detalhes, o trânsito será mais disciplinado e menos hostil do que é hoje.

Escrito por:

Jorge Massarolo