Publicado 05 de Julho de 2015 - 15h35

Por France Press

A coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos realizou ataques sem precedentes sobre Raqa, a capital de fato do grupo jihadistas Estado Islâmico (EI) na Síria, matando pelo menos 30 pessoas e destruindo várias infraestruturas utilizadas pelos jihadistas.

Além disso, as forças do regime de Bashar al-Assad, apoiadas por milicianos do Hezbollah libanês, entraram em Zabadani, uma das últimas localidades ainda controlada pelos rebeldes na região de Qalamoun, perto da fronteira libanesa.

Em outra frente de combate, em Aleppo (norte), os combates prosseguiam entre as tropas governamentais e duas coalizões rebeldes que procuram avançar nesta que é a segunda maior cidade do país.

Neste contexto, segundo a imprensa turca, o exército da Turquia convocou seus comandantes de tropas mobilizados na fronteira para discutir a possibilidade de uma incursão na Síria.

Em Raqa, o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH) indicou que ao menos 30 pessoas, incluindo dois civis, foram mortas no sábado (3) à noite e neste domingo (4) de manhã nos bombardeios realizados pelos aviões da coalizão antijihadista.

"Intensos ataques aéreos (...) foram realizados para privar o Daesh (acrônimo em árabe para EI) de sua capacidade de transporte de equipamentos militares por toda a Síria e em direção ao Iraque", explicou o porta-voz da coalizão, o tenente-coronel Thomas Gilleran.

Trata-se de "uma das mais importantes ações realizadas até agora na Síria", indicou o porta-voz, que explicou que edifícios do EI e estradas foram destruídas em Raqa.

Os ataques "reduziram em grande medida a liberdade de movimento dos terroristas", insistiu o tenente-coronel Gilleran.

Em um comunicado publicado neste domingo, a coalizão indicou ter realizado 26 ataques no norte da Síria, incluindo 18 perto de Raqa. Os demais visaram setores onde o EI combate, Kobani e Hassake.

 

Hezbollah combate 

Na região de Qalamoun, as forças do regime apoiadas pelo Hezbollah entraram em Zabadani, localizada 20 km ao norte de Damasco, segundo a televisão estatal.

"Em cooperação com a resistência libanesa (Hezbollah), os soldados tomaram o controle do distrito de al-Jamaiyat, a oeste de Zabadani, e do de al-Sultana, a leste da cidade", indicaram.

As operações, que continuam, deixaram dezenas de mortos e feridos entre os rebeldes.

De acordo com o OSDH, pelo menos 14 membros das forças do regime e do Hezbollah foram mortos nos combates nas últimas 24 horas, bem como pelo menos 12 rebeldes.

Para Alwan, um militante de Zabadani que está em contato com os rebeldes da cidade, "os combatentes não têm por onde sair". "Não sei o que vai acontecer".

Segundo ele, restam apenas cerca de mil civis na cidade, principalmente na parte leste.

O OSDH indicou que o regime lançou 22 barris de explosivos em Zabadani.

Em Aleppo, os combates continuam entre as forças governamentais e duas coalizões rebeldes que buscam controlar os distritos ocidentais da cidade.

Segundo o Observatório, uma ofensiva liderada pelos rebeldes islamitas da Frente Al-Nusra, o ramo sírio da Al-Qaeda, contra o bairro de Zahra, fracassou, mas a luta continua nos arredores do bairro.

Uma segunda coalizão, Fatah Halab, formada por rebeldes mais moderados, tomou um posto de controle militar em um bairro, que as forças do regime tentavam recuperar neste domingo.

Aleppo, antiga capital econômica da Síria, não tinha experimentado mudanças significativas no conflito desde a sua divisão, em julho de 2012, entre as áreas controladas pelos rebeldes, a leste, e as áreas controladas pelo regime, a oeste.

Os combates dos últimos dias estão entre os mais violentos em Aleppo desde 2012, com centenas de morteiros e foguetes lançados contra os bairros de ambos os lados.

Mais de 230.000 pessoas foram mortas no conflito na Síria, iniciado em março de 2011.

Escrito por:

France Press