Publicado 02 de Julho de 2015 - 18h37

Por AFP

As potências envolvidas nas negociações nucleares com o Irã continuavam trabalhando nesta quinta-feira (2) para chegar a um acordo, mas por enquanto, sem avanços, cinco dias antes de expirar o prazo extra para alcançar um compromisso definitivo, embora algumas autoridades tenham se mostrado otimistas.

O chefe da Agência Internacional de Energia Atômica, Yukiya Amano, reuniu-se em Teerã com o presidente do Conselho Supremo Nacional de Segurança iraniano, Ali Shamjani, e depois se encontrou com o presidente Hassan Rohani, para buscar uma nova forma de resolver uma das questões mais complexas da negociação: as inspeções internacionais de instalações iranianas, suspeitas de desenvolver a bomba atômica.

"Não penso que estejamos em um momento de avanços", declarou o chefe da diplomacia britânica, Philip Hammond, antes de se somar às discussões que começaram há seis dias na capital austríaca entre as potências do grupo 5+1 (Reino Unido, China, França, Rússia, Estados Unidos e Alemanha) e Teerã e antes de se reunir com o secretário de Estado americano, John Kerry.

Mas, "o trabalho continua"."Nos próximos dias, verão ministros ir e vir para manter o impulso das negociações", acrescentou.

No entanto, o presidente iraniano, Hassan Rohani, afirmou nesta quinta que o dossiê poderia ser rapidamente resolvido ante a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), ao receber Amano.

"No que diz respeito a certas questões que ainda parecem ambíguas, poderiam ser resolvidas a curto prazo se houver vontade de ambas as partes e não forem incluídas questões não técnicas", disse Rohani, cujas palavras foram publicadas no site de seu governo na internet. Acrescentando que "o Irã está disposto a alcançar um acordo justo sobre os assuntos em suspenso, em um momento determinado e no âmbito dos regulamentos existentes".

As potências do grupo 5+1 decidiram ter uma semana extra, até a próxima terça-feira (7), para tentar fechar um acordo sobre o programa nuclear iraniano após 20 meses de intensas negociações.

Escrito por:

AFP