Publicado 09 de Julho de 2015 - 19h28

Por Bruno Bacchetti

Com o orçamento familiar apertado, a ACSP entende que a compra à vista de presentes de valor reduzido poderá crescer

Cedoc/RAC

Com o orçamento familiar apertado, a ACSP entende que a compra à vista de presentes de valor reduzido poderá crescer

Amargando prejuízos em datas importantes, como ocorreu no Dia dos Namorados, e com o faturamento em baixa, o comércio campineiro aproveitou o feriado para aumentar as vendas e minimizar o prejuízo. As lojas na região central de Campinas abriram as portas das 9h às 17h e o movimento foi considerado positivo pelos lojistas. Para atrair os consumidores, os comerciantes apostaram em ofertas, liquidações especiais e maior prazo para pagamento.

Segundo dados da Associação Comercial e Industrial de Campinas (Acic), as vendas do comércio no primeiro semestre foram 1,9% inferiores ao mesmo período do ano passado. O faturamento nos seis primeiros meses do ano foi de R$ 6,64 bilhões, montante 0,5% menor que o registrado no primeiro semestre de 2014, cujo faturamento foi de R$ 6,76 bilhões.

Pela primeira vez em 15 anos, as vendas do Dia dos Namorados tiveram queda de um ano para o outro e, neste, foram 0,9% menores na comparação com 2014. A inadimplência também está elevada. No semestre, 116.190 carnês ficaram sem pagamento no comércio campineiro. Nos últimos 12 meses, o prejuízo já chega a R$ 211,4 milhões.

Diante do cenário, o feriado veio em boa hora. A maioria das lojas ficaram com movimento acima da média de uma quinta-feira normal e os lojistas tiveram motivos para comemorar — fato raro nos últimos meses para o setor. Nas lojas populares, a presença dos consumidores era ainda maior.

Até o clima colaborou, já que a chuva que atingiu a cidade desde o início da semana deu uma trégua. “O último feriado (Corpus Christi) já foi bom e esse está sendo melhor ainda. Estamos com 80% do nosso quadro de funcionários trabalhando e estão todos ocupados. Parou um pouco a chuva e isso ajudou. A gente começou as liquidações para atrair o cliente para dentro da loja. Tem que baixar os preços”, afirmou Fabiana Carvalho, gerente da loja Passarela, na Rua 13 de Maio.

Na Principal Calçados, a poucos metros dali, o gerente Wesley Antonio Silva também considerou as vendas positivas e respirou aliviado. Isso porque o movimento foi bom e evitou um prejuízo ainda maior. “É uma forma de não perder mais. O Dia dos Namorados não foi bom e o feriado ajuda porque quem trabalha no final de semana pode vir. Estamos com mais ofertas e liquidações e está compensando trabalhar”, disse Silva.

Munida com duas grandes sacolas nas mãos, a vendedora Mariana Aparecida Almeida, de 19 anos, aproveitou o feriado para fazer compras no comércio campineiro. Ela mora em Valinhos e diz que os preços estão mais atraentes. “É o único dia que consigo vir porque sou de Valinhos. Vim comprar carrinho e banheiro para minha afilhada. O preço está razoável, pesquisei bastante e realmente baixou. Acho que baixaram o preço por causa da crise”, disse.

Escrito por:

Bruno Bacchetti