Publicado 02 de Julho de 2015 - 5h00

Por Maria Teresa Costa

O consórcio formado pelas empresas Serveng Civilsan S/A Empresas Associadas de Engenharia, Engeform Construções e Comércio Ltda e PB Construções Ltda venceu na quarta-feira (1º) a licitação aberta pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) para as obras de interligação dos reservatórios Jaguari, na Bacia do Paraíba do Sul, ao Atibainha, no Cantareira.

O consórcio ofereceu um deságio de 33,17%, reduzindo o valor inicialmente estimado pela Sabesp de R$ 830,5 milhões para R$ 555 milhões — R$ 275,5 milhões a menos.

Os demais consórcios que participaram da disputa já informaram que irão recorrer, porque consideram que o valor ofertado pelo vencedor é inexequível. O prazo de recurso vence na próxima segunda(6).

Participaram do pregão oito consórcios, onde estão empresas como Odebrecht Global S.A, S.A Paulista de Construções e Comércio, Construtora Queiroz Galvão S.A, Eit Construções S.A, Construtora Ferreira Guedes S.A, Andrade Gutierrez Engenharia S.A, Construcap — CCPC Engenharia e Comércio S.A, Cetenco Engenheria S.A., Serveng Civilsan S/A Empresas Associadas de Engenharia, Engeform Construções e Comércio Ltda e PB Construções Ltda.

A Sabesp planeja iniciar a operação da interligação, que irá reforçar o Cantareira, em janeiro de 2017. A obra, incluída no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), teve financiamento aprovado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no valor de R$ 747,4 milhões. Procurada ontem, a Sabesp não retornou.

A transposição irá beneficiar diretamente 39 municípios que compõem a Grande São Paulo, além de 20 municípios da região metropolitana de Campinas, pois o Sistema Cantareira, em condições normais, fornece uma vazão de 5m³/s para a região.

A interligação irá reforçar o Cantareira e funcionará em mão dupla. São 19 quilômetros de obras, sendo 13 quilômetros de adutoras e 6 quilômetros de túneis.

Segundo a Sabesp, a interligação entre as represas permitirá a captação de água na represa Jaguari (Bacia do Paraíba do Sul) e a transferência para a represa Atibainha (bacia do Sistema Cantareira).

Com vazão média prevista de 5,1m³/s e máxima de 8,5m³/s, o sistema também permitirá a transferência de água no sentido contrário, da represa Atibainha para a Jaguari. A represa Jaguari de Igaratá tem capacidade para 1,2 bilhão de m³/s.

Sozinha ela armazena 20% mais água do que o volume útil dos quatro reservatórios do Cantareira juntos. A transferência estará pronta para funcionar em 18 meses, após assinatura de contrato, no sentido da Jaguari para a Atibainha, reforçando o Sistema Cantareira

Na fase de pré-qualificação, 14 consórcios se apresentaram na disputa que define a empresa que será contratada para elaboração dos projetos básico, executivo e obras.

Pelo contrato assinado na última semana, a Sabesp tem prazo de 20 anos para pagar o financiamento, incluídos os períodos de carência e amortização.

De acordo com o governador de São Paulo, com as obras, a capacidade de reservas das duas represas dobrará, passando de 1 bilhão de metros cúbicos por segundo para 2,1 bilhões. Na avaliação de Alckmin, a transposição diminuirá a “vulnerabilidade” dos sistemas.

O empreendimento será contratado por meio do Regime Diferenciado de Contratação (RDC), sistema de licitação pública que evita burocracia e acelera o início e a entrega de obras.

Escrito por:

Maria Teresa Costa