Publicado 29 de Junho de 2015 - 18h55

Por Carlos Augusto Rodrigues da Silva

Carlos Rodrigues

Da Agência Anhanguera

[email protected]

Palco da próxima partida do Guarani na Série C do Campeonato Brasileiro, diante do Madureira, domingo, às 11h, o Brinco de Ouro recebeu no último final de semana cerca de seis mil pessoas – segundo a organização do evento - em um festival de música eletrônica, cuja estrutura foi montada sobre o gramado do estádio. Os equipamentos terminarão de ser retirados hoje, mas a expectativa geral é de que não haja danos graves ao campo de jogo, que possam, de alguma maneira, atrapalhar a prática do futebol. Vale lembrar que o gramado possui padrão Fifa desde a vinda da seleção da Nigéria durante a Copa do Mundo de 2014.

Intitulado de Happy Holy, o festival deveria ter sido realizado no dia 21, mas por conta da necessidade de adequação de algumas estruturas solicitadas pelo Corpo de Bombeiros, o evento foi adiado em uma semana. O palco foi montado próximo ao gol do placar eletrônico e todo o restante da região do campo de jogo foi ocupada pelo público. Para evitar contato direto com a grama, foi usada uma proteção especial, utilizada em outros eventos desse porte.

O produto, chamado de Easyfloor Plus, é desenvolvido exclusivamente por uma empresa para deixar a superfície mais estável e amassar menos o gramado. São usadas uma série de módulos medindo 100cm x 25cm, moldados em plástico polipropileno de alta resistência e impacto. O equipamento é usado na maioria dos grandes eventos nos principais estádios do País.

A reportagem do Correio Popular esteve ontem no Brinco e percebeu-se que o desgaste foi mínimo. É necessário, no entanto, que o gramado receba cuidados específicos, principalmente na questão de iluminação e irrigação. Para a organização do festival, não há risco de problemas no campo. “Usamos o melhor piso que existe no mercado para danificar o menos possível o gramado”, explica Eduardo Serena, um dos sócios do evento realizado em Campinas. “Claro que o gramado sofre um pouco, mas ele tem um período de recuperação bem tranquilo. Em quatro, cinco dias já estará bem diferente”.

O engenheiro agrônomo Fabrício Spolon, que é o responsável por cuidar do gramado do Brinco, disse que só será possível uma avaliação exata após toda a retirada da estrutura, mas que pequenos reparos são necessários, o que é algo normal nessa situação. “Só depois de toda a estrutura desmontada e o gramado totalmente limpo podemos avaliar com exatidão, mas é possível que sejam feitas algumas correções naturais”.

Escrito por:

Carlos Augusto Rodrigues da Silva