Publicado 04 de Junho de 2015 - 15h57

Por Paulo César Dutra Santana

Paulo Santana

Da Agência Anhanguera

[email protected]

A bela vitória sobre o Vasco, por 3 a 0, anteontem, no Rio de Janeiro, encheu o torcedor da Ponte Preta de orgulho. Nem a possibilidade de saída do meia Renato Cajá parece tirar a confiança da torcida, que está comemorando muito a invencibilidade da equipe comandanda pelo técnico Guto Ferreira. Até aqui, foram três vitórias e dois empates, que garantem 73,3% de aproveitamento dos pontos disputados à Macaca. O time vem se mantendo firme e forte no G4 do Brasileirão.

Diante disso, o assunto que tomou conta das rodinhas nos botecos da cidade, ontem, só poderia ser o excelente início de competição. O nível de confiança é tanto que o empreiteiro Sílvio Roberto Estevão, de 51 anos, aposta até na conquista do título. “A gente sempre tem a esperança de ser campeão. Neste ano, do jeito que está indo, acho que a Ponte chega lá. Independentemente de quem for embora, o elenco é bom”, opina, sem medo de perder Cajá. "Ele é bom, mas a Ponte tem outros que podem ocupar a vaga", completa.

Para o eletricista, Jorge Alexandre Sobrinho, de 60 anos, o momento que a Macaca atravessa é simplesmente “maravilhoso”. “O time só tem conseguido bons resultados. Por isso, acho que todo pontepretano tem que torcer porque pode ser ainda melhor. Estou superconfiante”, comentou.

Na opinião do chaveiro Gerson Diademe, 44, a Macaca está “bonita” no Brasileirão. “Estou cofiante que vamos chegar lá. Se não der para conseguir o título, certamente da Ponte vai terminar entre os 10. Isso está garantido”, aposta.

Para o técnico Guto Ferreira a euforia do torcedor é justa, mas deve ficar somente do lado de fora do campo. “Nós sabemos da dificuldade do Campeonato Brasileiro. Tínhamos a expectativa de ter um bom começo, mas logicamente está surpreendendo pela pontuação que estamos conseguindo”, admite.

O comandante destaca que tem trabalhado para o time manter os pés no chão. “A confiança está aumentando, mas logicamente não pode ultrapassar um limite, pois aí começa a atrapalhar. O risco é relaxar e achar que as coisas vão se resolver naturalmente. Não é assim também. Precisamos ir conduzindo aos poucos”, diz.

Até aqui, a Macaca foi buscar um empate com o Grêmio (3 a 3) depois de iniciar perdendo por 2 a 0, em Porto Alegre. Em casa, derrotou o São Paulo pela contagem mínima com direito a golaço de Renato Cajá. Na sequência, empatou com o Cruzeiro, em Belo Horizonte, por 1 a 1. Retornando ao Majestoso, bateu a Chapecoense num convincente 3 a 1 e, anteontem, sacramentou a boa fase humilhando o Vasco em sua própria casa, por 3 a 0.

Escrito por:

Paulo César Dutra Santana