Publicado 30 de Junho de 2015 - 9h25

Por Agência Estado

Com a dispensa coletiva da seleção olímpica, a estratégia dos clubes é tentar evitar que algum atleta sofra retaliações da CBF e não volte a ser convocado por Dunga

Frace Press

Com a dispensa coletiva da seleção olímpica, a estratégia dos clubes é tentar evitar que algum atleta sofra retaliações da CBF e não volte a ser convocado por Dunga

Dunga está garantido no cargo e a comissão técnica da seleção brasileira não deverá passar por mudanças radicais. Mas a participação da equipe na Copa América será alvo de uma avaliação, a primeira mais profunda desde que o treinador reassumiu o cargo e Marco Polo Del Nero chegou à presidência da CBF. Uma reunião na sede na entidade, no Rio, foi marcada para esta terça-feira, mas pode ficar para os próximos dias porque a CBF está empenhada na elaboração de um texto substitutivo da MP de refinanciamento da dívida fiscal dos clubes.

No encontro com Del Nero estarão presentes Dunga, o coordenador de seleções, Gilmar Rinaldi, e o secretário-geral da entidade, Walter Feldman, embora este tenha como principal atribuição nesta semana preocupar-se com a MP. O diretor de marketing da CBF, Gilberto Ratto, também pode ser convidado a participar, uma vez que esteve com a delegação desde a chegada ao Chile.

Marco Polo vai receber relatórios de Dunga e Gilmar e outro de Feldman. Em seguida, fará vários questionamentos. Um deles, embora não em tom de cobrança, será sobre o descontrole emocional de alguns jogadores, sobretudo Neymar. O presidente lembrará que no Campeonato Brasileiro os juízes foram instruídos a advertir com cartão amarelo o jogador que reclamar, embora isso não tenha relação direta com a seleção porque a maior parte dos jogadores atua fora do País. Mas deve falar que pretende ver os atletas mais controlados.

O presidente também está preocupado com os jogadores que estarão à disposição. Acha que é importante usar a juventude ao lado da experiência. Neste contexto, Robinho ganha ainda mais força depois de ter sido o substituto de Neymar de fato. E Kaká pode ter nova oportunidade com Dunga.

O fracasso da seleção na Copa América não merecerá maiores reparos ou cobranças, embora Del Nero tenha dito em janeiro entender que o Brasil tem de ser no mínimo finalista de todas as competições de que participa. Mas também disse que Dunga não cairia caso isso não viesse a ocorrer no torneio do Chile porque o trabalho tem como meta a Copa do Mundo de 2018, na Rússia.

Del Nero acredita que a seleção foi prejudicada pelos desfalques e erros individuais. No último domingo, o dirigente voltou a assegurar a permanência do treinador na seleção. “Ele ligou para o Dunga logo depois da partida, conversaram longamente e o presidente passou tranquilidade ao treinador. O risco que ele corre é zero. Dunga comentou que é muito bom trabalhar desse jeito, tendo respaldo”, contou Feldman.

Na reunião também será iniciado o processo de preparação para as Eliminatórias. A disputa começa em outubro, mas Dunga e Gilmar pretendem ir à Rússia em julho para acompanhar o sorteio da tabela dos jogos. A Fifa vai promover um encontro para este fim no dia 25, em São Petersburgo.

A seleção volta a se reunir em setembro para dois amistosos, nos dias 4 e 8, nos Estados Unidos. A convocação para estes jogos será em agosto e a intenção da comissão técnica é chamar Neymar, mesmo se não puder contar com ele para os dois primeiros jogos das Eliminatórias.

Escrito por:

Agência Estado