Publicado 03 de Junho de 2015 - 14h27

Por Agência Estado

Casagrande, em maio de 2013, em Campinas, na noite de autógrafo de sua autobiografia

Divulgação

Casagrande, em maio de 2013, em Campinas, na noite de autógrafo de sua autobiografia

O ex-jogador Walter Casagrande Júnior recebeu alta do Hospital TotalCor, em São Paulo, nesta quarta-feira. Ele estava internado desde que sofreu um enfarte agudo do miocárdio e passou por cirurgia na sexta-feira da semana passada. Os médicos vinham evitando dar uma previsão para que o ex-atleta deixasse o centro médico, mas a evolução foi rápida e positiva e permitiu a liberação.

Ex-jogador do Corinthians e da seleção brasileira havia deixado a UTI do hospital no último domingo. Segundo o hospital, Casagrande tinha quadro estável e apresentava boa recuperação. Até que nesta quarta um comunicado surpreendeu ao revelar a alta. "O Hospital TotalCor informa que o Sr. Walter Casagrande Jr. teve alta nesta quarta-feira", informou o documento.

Casagrande, de 52 anos, sofreu enfarte na sexta-feira, quando foi prontamente socorrido. Desde que deixou a UTI, ele recuperava-se gradativamente num quarto. O ex-jogador sentiu dores no peito e foi levado para o hospital. Ele teve de passar por cirurgia de cateterismo e angioplastia. Informações preliminares davam conta de seu bom estado de saúde, com participações frequentes em transmissões de jogos pela TV Globo, canal do qual é comentarista, e também em programas.

Ídolo do Corinthians, clube em que iniciou a sua carreira, Casagrande foi jogador profissional de 1980 a 1996, quando anunciou sua aposentadoria. O ex-atacante também defendeu Caldense, São Paulo e Flamengo, entre outros clubes no Brasil, e atuou pelos italianos Torino e Ascoli e o português Porto, pelo qual foi campeão europeu, além da seleção brasileira, pela qual disputou a Copa do Mundo de 1986.

No Corinthians, Casagrande ganhou destaque dentro e fora de campo. Ele foi parceiro de Sócrates, falecido em 2011, nos gramados e na liderança do movimento Democracia Corintiana, durante a ditadura militar no Brasil.

Na autobiografia "Casagrande e Seus Demônios", lançada em 2013, Casagrande confirmou que quase morreu em razão do abuso de heroína e cocaína. Por conta do vício, precisou se afastar de suas funções na televisão, mas conseguiu dar a volta por cima depois de ficar um ano internado em uma clínica em Itapecerica da Serra, em São Paulo.

Escrito por:

Agência Estado