Publicado 02 de Junho de 2015 - 17h42

Por Agência Estado

Eliminação na Libertdores pesou para que Marcelo Oliveira fosse demitido

Divulgação

Eliminação na Libertdores pesou para que Marcelo Oliveira fosse demitido

Campeão brasileiro nas últimas duas temporadas, Marcelo Oliveira levou o Cruzeiro até as quartas de final da Libertadores, mas não resistiu à eliminação em casa diante do River Plate. Nesta terça-feira (2), a diretoria anunciou a demissão do treinador, que deixa a Toca da Raposa com 68,44% de aproveitamento - "um dos maiores da história do clube", como ressalta o comunicado em que o Cruzeiro anunciou a demissão.

A dispensa do treinador acontece horas depois de os muros da sede do clube amanhecerem pichados. "Fora Gilvan e Marcelo. A paz acabou. Parasitas", era o que diziam as pichações, em referência não apenas ao treinador, mas também ao presidente do clube, Gilvan de Pinho Tavares.

O ato deflagrou a crise do clube e mostrou que os torcedores já esqueceram os títulos dos últimos dois Brasileiros. De acordo com o próprio Cruzeiro, o treinador tem "números espetaculares", com 105 vitórias em 169 jogos.

A realidade cruzeirense de 2015, porém, é bem diferente. Depois de perder peças fundamentais, como Everton Ribeiro, Ricardo Goulart e Marcelo Moreno, o clube gastou muito dinheiro em contratações, mas poucas renderam o esperado.

Em um primeiro semestre bastante irregular, o time perdeu a decisão do Mineiro para o rival Atlético-MG e caiu nas quartas da Libertadores para o River, com direito a 3 a 0 para os argentinos no Mineirão. No Brasileiro, somou apenas um ponto em quatro partidas e está na penúltima colocação.

Demitido, Marcelo Oliveira deve fazer sombra a Oswaldo de Oliveira, no Palmeiras. O clube é dirigido por Alexandre Mattos, responsável pela montagem do elenco bicampeão brasileiro no Cruzeiro. São Paulo, Flamengo, Grêmio e Fluminense trocaram de técnico recentemente - os paulistas nunca esconderam que queria o agora ex-cruzeirense.

Escrito por:

Agência Estado