Publicado 02 de Junho de 2015 - 16h29

Por Marita Siqueira

No Nosso Rancho, a graça está em viver a simplicidade, seja nos pratos feitos no fogão a lenha, seja na decoração com antiguidades

Leandro Ferreira/ AAN

No Nosso Rancho, a graça está em viver a simplicidade, seja nos pratos feitos no fogão a lenha, seja na decoração com antiguidades

No Nosso Rancho, a graça está em viver a simplicidade, seja nos pratos feitos no fogão a lenha, seja na decoração com antiguidades

Às margens das rodovias Campinas-Mogi Mirim e Dom Pedro I, simplicidade e luxo convivem. Em meio aos condomínios de alto padrão fica o Parque dos Pomares, onde as ruas ainda são de terra e não existe rede de esgoto. Estar ali é como ir da metrópole ao Interior rural em apenas cinco minutos. Nesse lugarzinho pouco lembrado da cidade, há um cantinho ajeitado por demais da conta, como dizem lá nas Minas Gerais, terra de Serjão, grande figura e dono do Nosso Rancho.

O ambiente roceiro do bairro (não explanarei aqui sobre as difíceis condições de habitação) contribui para a atmosfera rústica do boteco. E Serjão dá aquela força na adesão ao espírito caipira com a música, de preferência moda de viola, e a comida feita no fogão a lenha. Isso sem falar das mesas e cadeiras de madeira, cortadas e confeccionadas por ele.

O cabra construiu tudo com as mãos, conseguindo matéria-prima em troca de serviço, com o suor escorrendo debaixo do chapelão e o barro “comendo” a botina. E, com muito orgulho, ele conta essas histórias à beira do fogão.

No Nosso Rancho, a graça está em viver a simplicidade, seja nos pratos feitos no fogão a lenha, seja na decoração com antiguidades

Todas as terças-feiras, a lenha queima no Rancho, ora por causa da galinhada, ora pela costela ou outra pedida nessa linha. Da galinha com arroz e da polenta que ele serviu, sobrou apenas o borralho no cair do fogo.

Outro grande barato da bodega é a “decoração”. A gente é capaz de ficar horas observando os objetos. Tem de tudo o que se possa imaginar: cobra no vidro, televisão velha, máquinas de escrever, malas de couro, ferramentas, violões etc, etc, etc. Tudo antigo e empoeirado, porque há que se compreender que limpar esse antiquário entulhado não deve ser tarefa fácil.

O Nosso Rancho me encantou, talvez pela nostalgia do campo, talvez pela simplicidade de um lugar cuja fonte de existência está em contemplar os pequenos prazeres. Por ele, levanto ainda mais alto a bandeira: “Abaixo a gourmetização da vida.”

No Nosso Rancho, a graça está em viver a simplicidade, seja nos pratos feitos no fogão a lenha, seja na decoração com antiguidades

Nosso Rancho

Rua Doutor Walmor Largura, 413, Parque

dos Pomares, Campinas, f. (19) 3262-0643. Aberto todos os dias, a partir das 8h30.

Escrito por:

Marita Siqueira