Publicado 28 de Junho de 2015 - 9h00

reality

Érica Araium/ AAN

reality

Foto: Érica Araium/ AAN

Minissanduba de Carne com Jack Daniel’s: o escolhido

Minissanduba de Carne com Jack Daniel’s: o escolhido

Há realities show gastronômicos em exibição para todos os gostos, em multiplataformas e telas. O público, em geral, acompanha e torce pelo participante favorito. Já alunos de gastronomia se valem dos cases para se inspirar, revisitar receitas e, por que não, cogitar a participação nalguma atração. “Entendemos que esse era o momento de aproveitar a motivação dos futuros cozinheiros e criamos nosso próprio reality. Já estávamos pensando em um desafio entre os graduandos, promover um concurso gastronômico de viés interdisciplinar. Quando o Bar do Porto nos propôs parceria, foi muito bem-vindo”, assenta o coordenador do curso de gastronomia da Faculdade Max Planck, de Indaiatuba, Caio Henriques Nunes, referindo-se à niciativa promissora. As turmas de todos os semestres do curso de gastronomia da instituição foram instigadas a criar petiscos para o gastrobar de Indaiatuba, ativo há pouco mais de seis meses. Motivação: o prato vencedor do 1o Combate de Chefs seria incluído no menu da casa.

Foto: Érica Araium/ AAN

Os irmãos Jéssica e Rafael Maia: vencedores já no primeiro semestre do curso

Os irmãos Jéssica e Rafael Maia: vencedores já no primeiro semestre do curso

No último dia 18, a grande final foi organizada de maneira realista. Os estudantes dividiram com a brigada costumeira os postos nas praças da cozinha do bar. Ao mesmo tempo em que os petiscos do menu ativo eram ordenados pela clientela (convidados, formadores de opinião, habitués da casa e alunos da faculdade), os três pratos do concurso eram produzidos na medida dos pedidos.

O Minissanduba de Carne com Jack Daniel’s, elaborado pelos irmãos Jéssica e Rafael Maia, ganhou a preferência do público. À base de hambúrguer de acém, o petisco leva molho de cebola flambada no uísque Jack Daniel’s, queijo, pimenta tabasco, molho inglês e abacaxi triturado entre os temperos e pão australiano artesanal. Batatas rústicas guarnecem o sanduíche. “Ainda estamos no primeiro semestre, então, foi uma sensação única vencer mesmo com pouco tempo de curso”, afirma Jéssica.

Foto: Érica Araium/ AAN

Simone Mascaros e Lica Hirai: ousadia

Simone Mascaros e Lica Hirai: ousadia

Já o Miniflocão de Filé-mignon, das alunas Simone Mascaros e Lica Hirai, ficou em segundo lugar; e o Bolinho de Mandioca com Ragu de Costela, criado pelos estudantes Dolores Santos e Victor Munhoz, em terceiro. “Quando soubemos do concurso, levamos na esportiva, mas queríamos ousar para vencer o desafio. Por isso a opção por trabalhar o mignon de um jeito diferente e com apresentação inusitada. Usamos a fritadeira, pensamos na pegada de bar”, define Simone.

Foto: Érica Araium/ AAN

Miniflocão de Filé-mignon ficou em segundo lugar

Miniflocão de Filé-mignon ficou em segundo lugar

Criatividade

Os jurados destacaram a criatividade dos participantes e o bom uso de cortes distintos de carne. No lugar de farinha de rosca para empanar o mignon, por exemplo, Simone e Lica preferiram usar flocos de milho, incrementando assim a textura. E adicionaram bacon e queijo coalho à receita, a fim de agregar sabor. O Bolinho de Mandioca com Ragu de Costela também agradou. Havia um molho sutil de pimenta para acompanhar o bocado.

Foto: Érica Araium/ AAN

Bolinho de Mandioca com Ragu de Costela: terceiro colocadoFerundis modio.

Bolinho de Mandioca com Ragu de Costela: terceiro colocadoFerundis modio.

“Acredito que os alunos se saíram muito bem, porque compreenderam o conceito da casa e se esforçaram para criar bons pratos. A ideia é que o vencedor já entre no menu e que, a cada seis meses, tenhamos um desafio assim”, revela Leandro Oliveira, sócio do Bar do Porto. Construído com contêineres, o bar de jeitão descolado virou point da moçada.

Dinâmica do concurso

Foto: Érica Araium/ AAN

Professores de gastronomia, donas de casa e convidados compuseram o júri

Professores de gastronomia, donas de casa e convidados compuseram o júri

Até chegar às três duplas finalistas, houve alvoroço dentro da faculdade. Ao todo, 38 se inscreveram e oito foram selecionadas para a segunda etapa (semifinal). Professores de gastronomia, donas de casa e convidados, entre eles habitués do Bar do Porto, compuseram o júri técnico. 

“As aulas de gastronomia são propostas de maneira dinâmica, tanto que metade do conteúdo é prático. Além disso, os alunos são convidados a integrar projetos de cunho social, cidadão”, observa o coordenador do curso de gastronomia da Faculdade Max Planck, Caio Henriques Nunes.

Foto: Érica Araium/ AAN

Caio Henriques Nunes, coordenador do curso de gastronomia da Faculdade Max Planck, de Indaiatuba: aproveitando a motivação dos futuros cozinheiros

Caio Henriques Nunes, coordenador do curso de gastronomia da Faculdade Max Planck, de Indaiatuba: aproveitando a motivação dos futuros cozinheiros

Para ilustrar, ele entrega que ao menos sete alunos participaram da tradicional festa junina da Colônia Helvetia, uma das mais tradicionais de Indaiatuba. Missão: finalizar e servir numa tenda o prato previamente preparado na cozinha de apoio da instituição – foram vendidas cerca de 500 poções de polenta com ragu. “A ideia de envolver os alunos em ações do tipo é que aprendam a trabalhar nas mesmas condições em que chefs de cozinha experientes atuam, quer numa cozinha equipada, quer num evento do tipo, no estilo das feiras gastronômicas que há. Neste caso, em específico, nove mil pessoas eram esperadas ao longo de dois dias”, explica Nunes.

Há, ainda, projetos da faculdade em hospitais e instituições sociais parceiras.

Hector Edmundo Hauanay Escobar, diretor da unidade Indaiatuba da Faculdade Max Planck, adianta que a instituição vem trabalhando em propostas de ensino arrojadas, a fim de propiciar a vivência do aluno de gastronomia e prepará-lo de maneira dinâmica para o mercado.

Foto: Érica Araium/ AAN

Bar do Porto: parceria

Bar do Porto: parceria