Publicado 05 de Junho de 2015 - 5h30

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, defendeu a ampliação da presença do Brasil no cenário internacional. “O Brasil é uma economia que tem muitas vantagens; e deve ser uma companhia que tem que competir pra ganhar”, afirmou Levy. Segundo o ministro, a aprovação pelo Senado do Acordo Constitutivo do Novo Banco de Desenvolvimento (NBD) - o chamado “ banco dos BRICS”, que reunirá (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), e do Acordo Contingente de Reservas (CRA), além do fato de o Brasil ter se tornado integrante do Banco de Investimento Asiático, refletem a vontade do governo brasileiro de estar presente no cenário internacional. A nota também afirma que parte do governo tem “disposição de apoiar os empresários” que desejarem conquistar o mercado internacional. Rússia e Índia também já aprovaram processos internos de ratificação para criação do banco. China e África do Sul indicaram que devem concluir os seus procedimentos em breve. Assim, o NBD poderá entrar em vigor para a efetiva criação do Novo Banco de Desenvolvimento. De acordo com a nota divulgada pelo Ministério da Fazenda, o Banco deverá contribuir de forma concreta e agrupar os desafios relacionados ao desenvolvimento internacional. “A nova instituição representará fonte alternativa de investimentos, aumentando a oferta de recursos para os entes públicos e privados do Brasil”, afirmou o comunicado. O NBD deverá mobilizar recursos para projetos de infraestrutura e de desenvolvimento sustentável nos países membros do bloco e em outras economias emergentes ou em desenvolvimento e contemplar as ações dos bancos multilaterais. O banco terá o capital inicial autorizado de US$ 100 bilhões. (Agência Estado)