Publicado 05 de Junho de 2015 - 5h30

Desde que assumiu a presidência da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) tem sido alvo de diversas críticas, até mesmo pelo processo eleitoral que o conduziu ao cargo. Determinado a votar a qualquer custo a reforma política, que até agora não agregou nada na vida do brasileiro — muito pelo contrário —, o peemedebista deixou de lado os protocolos e regras da Casa, até mesmo as constitucionais e, ao ver o financiamento privado de campanha reprovado pela maioria, resolveu votar novamente. De uma hora para outra, os deputados mudaram de opinião.