Publicado 05 de Junho de 2015 - 5h30

Embora tenha captado um baixo volume de água de chuva, de apenas 0,1 milímetro (mm) nas últimas 24 horas, o nível do Sistema Cantareira voltou a subir, de 20% para 20,1%. É a quinta elevação consecutiva. O Rio Atibaia teve ontem a vazão de 9,8m3/s na captação em Valinhos.

Os dados do Cantareira são da medição diária feita pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). Essa medição não leva em consideração o uso da reserva técnica (água que fica abaixo das comportas). Pelo cálculo que inclui essa utilização, o nível atingiu 15,5%, com um estoque que aumentou de 196,6 bilhões de litros de água para 197,4 bilhões.

O déficit diminuiu de 9,3% para 9,2% e o volume necessário para atingir a superfície do volume útil (água que fica acima das comportas) caiu de 90,9 bilhões para 90,1 bilhões de litros. O acumulado de chuva desde o dia 1 está em 10 milímetros (mm).

A média histórica para o mês de junho é de 58,5 mm. Mesmo com a melhora neste começo do mês, o Cantareira ainda está longe de conseguir repor as perdas registradas desde o Verão de 2014 e se mantém com o pior cenário entre as fontes hídricas utilizadas para o abastecimento da região metropolitana de São Paulo.

Com a queda gradativa na capacidade de operação de seus reservatórios, esse sistema deixou de ser o maior fornecedor de água da região, atendendo hoje a 5,4 milhões de pessoas, número bem abaixo do registrado há um ano — cerca de 9 milhões.

Nos demais mananciais administrados pela Sabesp ocorreram quedas. No Sistema Alto Tietê, o nível caiu de 22,1% para 22%. No Alto Cotia, que anteontem havia apresentado estabilidade em 67,3 mm, houve recuo de 0,2 ponto percentual, passando para 67,1%.

No Guarapiranga, o nível baixou de 79,7% para 79,5%; no Rio Grande, de 93% para 92,7%; e no Sistema Rio Claro, de 56,2% para 56%. Já a Represa Guarapiranga, na zona sul de São Paulo, que ultrapassou o Cantareira na quantidade de habitantes atendidos, teve nova queda. É o 18 dia seguido que o manancial perde água e hoje está com 79,5% da capacidade total. Apesar de dar um reforço para o Cantareira, o volume de água acumulada na Guarapiranga é bem menor do que o manancial em crise.

Atibaia

O Rio Atibaia permaneceu ontem com boa vazão, de 9,8m3/s, garantindo o abastecimento de Campinas. Essa vazão foi garantida pelas chuvas dos últimos dias.

No início da semana, o Atibaia registrou 12,8m3/s. O maior problema é não poder armazenar toda essa água porque não há reservatórios construídos em Campinas e nem em boa parte das Bacias PCJ. (Das Agências)