Publicado 30 de Junho de 2015 - 5h30

Um dia depois de sofrer a goleada para o Palmeiras, o São Paulo teve outra dura decepção ontem. A transferência de Rodrigo Caio para o Valencia, da Espanha, foi cancelada e o jogador deve voltar ao Brasil. O desfecho negativo faz o clube deixar de receber os R$ 44 milhões pela negociação, valor que ajudaria a pagar os direitos de imagem do elenco, atrasados há quase quatro meses.

Em nota oficial, o Valencia disse ter desistido do reforço depois de "considerar diferentes problemas na operação". Já o São Paulo explicou que divergências contratuais é que travaram o acordo. A reportagem apurou, porém, que o atleta desistiu de ficar no clube por causa do racha interno provocado por sua contratação. A gota d’água foi ontem. O dono do clube, Peter Lim, afastou o diretor técnico, o ex-jogador Rufete, por não ter ido ao aeroporto receber o zagueiro.

A pedido do Valencia, ele foi examinado por dois especialistas. A principal preocupação era o joelho esquerdo, que foi operado no ano passado para reconstruir os ligamentos cruzados — procedimento que o deixou sete meses sem atuar. Segundo pessoas que acompanharam a negociação, os exames não apontaram problemas físicos.

Com o fracasso do negócio, o estafe de Rodrigo Caio se reaproximou do Atlético de Madrid. O clube da capital espanhola concorria com o Valencia para contratá-lo e só perdeu a disputa por ter proposto o pagamento de R$ 44 milhões em parcelas e não à vista como preferiu o São Paulo.

O revés no desfecho da negociação de Rodrigo Caio vai ter impacto nas finanças do São Paulo. O clube via no dinheiro da venda uma forma de aliviar o caixa. Mas já passa a admitir o risco de no próximo dia 10 completar o quarto mês de atraso no pagamento dos direitos de imagem.

A situação incomoda os jogadores e um dos mais experientes do plantel, o meia Michel Bastos, reclamou ontem. "Não acho que ninguém esteja agindo de má fé, mas somos trabalhadores e queremos receber", disse. (Da Agência Estado)