Publicado 05 de Junho de 2015 - 5h30

Quando o GP de Mônaco, 6 etapa da temporada da Fórmula 1, terminou, a sensação geral era de que a Mercedes tinha jogado a vitória de Lewis Hamilton fora ao chamá-lo para os boxes durante um período de Safety Car. O inglês, que comandara toda a prova, caiu para 3 lugar, uma vez que o então 2 colocado, Nico Rosberg, e o 3, Sebastian Vettel, optaram por não trocar os pneus. Dias depois da prova, contudo, foi divulgado um áudio revelando que o próprio Hamilton havia sugerido a parada, preocupado com a temperatura dos pneus.

Isso gerou uma polêmica: qual a participação do piloto na tomada de decisões estratégicas na corrida, especialmente em um momento crítico como um Safety Car, em que as decisões têm de ser tomadas rapidamente?

No Canadá, onde disputam a sétima etapa do campeonato neste final de semana, os pilotos defenderam a postura de Hamilton, salientando que é importante sempre confiar nas decisões da equipe, uma vez que eles dispõem de mais dados do que quem está na pista. "A decisão de parar ou não depende de onde você está na pista e do quão duro o circuito é com os pneus", opinou Max Verstappen, da Toro Rosso. "Mas você deixa na mão da equipe porque eles têm os dados." É a mesma opinião de Daniil Kvyat, da Red Bull. "A equipe sabe melhor onde você está em relação aos outros pilotos. E, se eles falarem que o melhor é não fazer o pit stop, seu trabalho é manter a temperatura dos pneus."

O próprio Hamilton garantiu que vai continuar "seguindo os procedimentos da equipe" e assegurou que confia "100% nas decisões deles". Em Mônaco, a Mercedes explicou que se equivocou nos cálculos em relação a quanto tempo o piloto tinha de vantagem em relação a Rosberg — os engenheiros acreditavam que tinham 5s a mais de folga do que havia.

Tal confiança poderá ser testada neste final de semana. Afinal, as corridas no circuito Gilles Villeneuve são conhecidas pelo alto índice de ocorrência de Safety Car, como lembrou Felipe Massa. "É fácil bater aqui, não tem muita aderência no asfalto e os muros estão próximos. No caso de um Safety Car, a comunicação com a equipe é sempre muito importante. Você pode ganhar posições se fizer as coisas direito."

As atividades do GP do Canadá têm início com os treinos livres de hoje, às 11h e às 15h, com grande possibilidade de chuva. A classificação será às 14h de amanhã e a corrida, às 15h de domingo. Hamilton segue na liderança do campeonato, com 10 pontos de vantagem para o companheiro Rosberg, vencedor das últimas duas etapas. (Da Agência Tota Race)