Publicado 01 de Junho de 2015 - 13h02

Servidores em greve fazem 'cemitério' de vereadores para protestar contra atuação da Câmara

Gustavo Abdel

Servidores em greve fazem 'cemitério' de vereadores para protestar contra atuação da Câmara

A greve dos servidores públicos de Campinas paralisou parcialmente sete unidades de saúde e afetou o atendimento em 95 escolas. Na Educação, das 201 unidades, 15 estão paralisadas totalmente e 80 parcialmente. As outras 93 unidades de saúde funcionam normalmente.

De acordo com um balanço parcial divulgado pela Prefeitura de Campinas na manhã desta segunda, 15 servidores faltaram no Hospital Municipal Dr. Mário Gatti. Na Secretaria de Serviços Públicos, apenas um servidor não compareceu ao trabalho e, na pasta da Assistência, são 20 ausentes. 

Na última mesa de negociação, a Administração municipal apresentou uma proposta de reajuste de 7,13% nos salários e 10% no auxílio-alimentação dos ativos e no vale nutricional dos aposentados.

Paço Municipal

Os servidores públicos municipais entraram em greve na manhã desta segunda-feira (1) e desde às 7h as entradas que dão acesso ao Paço Municipal foram bloqueadas pelos grevistas, até mesmo o estacionamento da Prefeitura. A Administração entrou na Justiça e por volta das 12h30 o juiz da 2ª Vara da Fazenda Pública, Wagner Gidaro, concedeu liminar para que a entrada do Paço seja desobstruída sob pena de multa diária de R$ 10 mil.

Os servidores reivindicam reajuste salarial de 18,6%, mas o governo municipal propôs em negociação na semana passada 7,13% de reposição e 10% no vale alimentação. O Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público (STMC) garante que será mantido o número mínimo de 30% dos funcionários nos serviços essenciais. “Estamos com 100% do Paço Municipal paralisado. Às 15h30 faremos assembléia para definir os próximos passos da greve”, disse Tadeu Cohen, presidente do STCM.

Concentração

Apesar do Paço estar “fechado” pelos grevistas, não é grande a presença de servidores nas escadarias da Prefeitura. Faixas foram transpassadas de um lado ao outro das escadas, e um cemitério simbolizando a morte dos vereadores que votaram o Projeto de Lei 15/2015 foi montado no gramado. O projeto cria 616 cargos para agente comunitário de saúde, e os profissionais acreditam que irão acumular função de agentes de endemias.

“No Hospital Municipal Dr. Mário Gatti apenas 15 estão ausentes; na Secretaria de Serviços Públicos, um servidor não compareceu ao trabalho; na pasta da Assistência, são 20 ausentes”, informou em nota a Prefeitura. A unidade do serviço Porta Aberta na Prefeitura está fechada nesta segunda-feira (1º) por causa do bloqueio dos servidores. De acordo com a administração, os contribuintes podem utilizar a internet, no site da Prefeitura.