Publicado 01 de Junho de 2015 - 10h01

Estivadores reivindicam reposição das perdas inflacionárias, aumento de 15% e pagamento de PLR e cumprimento de cláusulas anteriores

Divulgação

Estivadores reivindicam reposição das perdas inflacionárias, aumento de 15% e pagamento de PLR e cumprimento de cláusulas anteriores

Mobilizada para reivindicar a reposição das perdas inflacionárias, aumento de 15% e pagamento de Participação dos Lucros e Resultados (PLR), a categoria dos estivadores prometeu paralisar por seis horas os serviços no Porto de Santos, nesta segunda-feira (1).

Os trabalhadores cruzam os braços desde às seis horas e devem permanecer assim até as 13 horas. O movimento atinge os profissionais que atuam sob o regime de vínculo empregatício.

Desdobramentos

Segundo Rodnei Oliveira da Silva, presidente do Sindicato dos Estivadores de Santos, podem haver desdobramentos na mobilização, a depender da adesão dos trabalhadores e das negociações com a entidade patronal. “A suspensão das operações será pelo período de seis horas, mas se as nossas reivindicações não forem atendidas, adiante vamos deliberar pela paralisação por tempo indeterminado”, afirma.

Os estivadores pedem também vale-refeição de R$ 30, para cada período de 6 horas trabalhadas no sistema avulso; planos de saúde e odontológico; seguro de vida; o pagamento de diária para o profissional não escalado e do adicional de risco.

Cláusulas

Além das reivindicações econômicas, os estivadores querem o cumprimento de todas as cláusulas elencadas na campanha salarial de 2015.

Uma das principais é a manutenção da paridade na escalação da categoria. “Pedimos a manutenção do sistema misto de contratação, pois é o mais justo e proporciona o equilíbrio tanto na oferta de serviços como também no ganho dos trabalhadores”, diz Rodnei.

Celebrado no final de 2013, o até então inédito acordo coletivo normatizou a utilização da categoria nas operações portuárias através do método avulso, mediante a requisição dos trabalhadores junto ao Órgão Gestor de Mão de Obra (Ogmo), bem como pelo regime de vínculo empregatício (CLT), na proporção de 50% para cada modalidade.

Outras categorias

Além da greve de seis horas da estiva estão programadas manifestações e paralisações das demais categorias do porto para esta segunda-feira (1º). Elas fazem parte da campanha unitária dos portuários de Santos, e continuarão nos próximos dias.

Em assembleia conjunta de seis dos oito sindicatos do setor, na noite da última quinta-feira (28), ficou aprovada a convocação de nova assembleia, dentro de aproximadamente dez dias, para dar sequência à luta unitária.