Publicado 01 de Junho de 2015 - 14h38

Wendel Ferrari, CEO da Temporada em Orland

Divulgação

Wendel Ferrari, CEO da Temporada em Orland

Quem costuma viajar de avião para um país distante provavelmente já sentiu uma sensação estranha de cansaço repentino. É o chamado jet lag, um desconforto causado pela mudança de fuso horário que ocorre, porque, após a viagem, o relógio biológico acaba perdendo a orientação no que se refere ao horário em que a pessoa estava acostumada a dormir e fazer suas refeições.

Dentre os sintomas mais comuns estão a fadiga, sono excessivo ou insônia, dores de cabeça, irritabilidade, enjoos e sensação de mal-estar. "Cada pessoa sente um tipo ou vários desses sintomas em intensidades diferentes. No caso de uma viagem do Brasil até Orlando, por exemplo, que dura cerca de sete horas, a sensação pode ser pior. A diferença de três horas no fuso horário pode já ser suficiente para a pessoa se sentir diferente", comenta Wendel Ferrari, diretor executivo da Temporada em Orlando.

O executivo, que já está acostumado a viajar para destinos mais longes e tem contato com pessoas que passam pelo efeito desconfortável quase sempre, avisa que existem maneiras de amenizar a sensação estranha. "A dica que eu dou para todos os meus clientes é que, se for ficar no país destino por menos de cinco dias, eles podem tentar manter os hábitos durante a viagem. Ou seja, dormir e fazer as refeições nos horários que costumavam fazer no Brasil. Dessa forma, eles vão evitar o jet lag também na volta", orienta Ferrari.

Mas quando as viagens são um pouco mais estendidas, a dica é justamente a contrária: antes de embarcar no avião, começar a comer e dormir no horário do país de destino para ir se habituando. "Claro que tudo depende do fuso horário, mas dormir mais cedo antes ou durante a viagem é uma boa opção. Assim, a pessoa já se acostuma com o cronograma de sono e refeições que vai seguir, antes mesmo de chegar ao país que irá visitar", diz o executivo.

Outra dica superimportante que o CEO da Temporada em Orlando dá é não chegar na casa ou hotel e ir direto dormir, se ainda não for a hora no local. "Vejo muita gente chegando de manhã em Orlando para aproveitar o primeiro dia da viagem e, pelo cansaço, acabam se trancando em casa para dormir. A melhor maneira para não sentir tanta a diferença de horário é exatamente o contrário: quando chegar, a pessoa deve fazer passeios leves e manter-se acordado à luz do dia. O bom é que em Orlando não faltam locais para visitar, com vistas e atrações incríveis, para manter os turistas acordados", recomenda Wendel.

De todo modo, o corpo precisa entender que ainda não é hora de dormir. Caso o viajante tenha dificuldades para se manter acordado ou, posteriormente, para pegar no sono, pode aproveitar as opções naturais para induzir o organismo, como energéticos e calmantes naturais. "Seguir essas dicas, não apenas no destino, mas também na volta ao Brasil, é uma maneira menos impactante ao organismo, trazendo consigo apenas as boas lembranças da viagem, nada de dores", brinca Ferrari.