Publicado 02 de Junho de 2015 - 23h14

Por France Press

O Presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, anunciou nesta terça-feira (2) que o embaixador russo para a União Europeia teve o acesso à assembleia negado, em retaliação contra a proibição de entrar na Rússia imposta pelo país a 89 cidadãos europeus, críticos da política do Kremlin.

A lista negra da Rússia foi divulgada aos diplomatas europeus na última quinta-feira (28). Ela inclui um número de deputados atuais e antigos que têm criticado abertamente o presidente Vladimir Putin e a posição da Rússia na guerra na Ucrânia.

"Na sequência da publicação da lista negra de políticos e funcionários da UE, o presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, informou hoje (terça) o embaixador russo para a União Europeia que na medida em que as autoridades russas não conseguiram garantir a transparência de suas decisões (...), ele estima que agora é justificado responder com medidas adequadas", ressaltou o gabinete de Schulz. 

O presidente disse que a instituição iria "restringir o acesso do Parlamento ao embaixador russo e uma outra autoridade russa" cuja identidade não foi divulgada.

O comunicado de Schulz foi feito a pedido dos Verdes no Parlamento Europeu para abrir um debate sobre as proibições de viagem emitidas pelas autoridades russas, considerando que trata-se de "um duro golpe para as relações UE-Rússia, mesmo que isso não tenha sido uma surpresa".

Durante o fim de semana, os serviços de Relações Exteriores da UE chamaram a proibição de viagens emitida pelas autoridades russas como "totalmente arbitrária e injustificada".

O ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, rejeitou o termo "absurdo" usado pela UE, indicando que esta lista foi apenas uma resposta russa às sanções ocidentais contra o Kremlin.

Escrito por:

France Press