Publicado 07 de Maio de 2015 - 18h10

Por Sarah Brito Moretto

Fotos: Camila

Sarah Brito

DA AGÊNCIA ANHANGUERA

[email protected]

As obras de ampliação das marginais da Rodovia Santos Dumont, entre a avenida Prestes Maia, em Campinas, a rodovia Bandeirantes (km 70 ao 77), anunciadas pelo governo do Estado em agosto do ano passado, devem sair do papel até setembro desse ano. De acordo com a Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp), o projeto executivo da obra foi aprovado e já está sendo elaborado pela concessionária responsável pela via, a Rodovia das Colinas. A previsão é que o estudo fique pronto até agosto, quando a licitação deve ser lançada para o início das obras.

A ampliação é uma aposta para desafogar o trânsito na rodovia, que é uma das principais vias de acesso a Campinas e registra constantes congestionamentos por excesso de tráfego, e também faz parte de um pacote que prevê facilitar o acesso ao Aeroporto Internacional de Viracopos. Além da melhoria na Santos Dumont, estão previstas a duplicação da Rodovia Miguel Melhado e o prolongamento do anel viário de Campinas (Rodovia José Roberto Magalhães Teixeira).

Segundo o diretor de investimento da Artesp, Theodoro Pupo, as sugestões da Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec), feitas no começo do ano, foram ouvidas e acatadas. A duplicação ocorrerá em sete quilômetros das marginais, na rodovia e em trecho do município. No total, o pacote de obras no acesso a Viracopos deve custar R$ 558 milhões.

A obra deveria ter começado em janeiro deste ano. Em fevereiro, a Artesp havia informado que o atraso estava ligado a “complexidade da obra”. A obra será feita pela concessionária, com participação do governo do Estado e da Prefeitura de Campinas. O custo será arcado pela Rodovia das Colinas, e está orçado em R$ 42 milhões. O prazo é de 18 meses para a obra ser concluída.

As marginais vão começar na região do Jardim Itatinga, seguirão até o trevo de acesso ao aeroporto e são uma das principais apostas para desafogar o trânsito de acesso a Viracopos. O projeto, devido à complexidade da região, dependia de acordo da Prefeitura em questões técnicas como traçado, largura da pista e configurações de trevo.

A Emdec apontou que as pistas paralelas – que ficam desniveladas do atual trajeto – serão aproveitadas para o projeto. Do lado esquerdo, sentido Campinas-Viracopos, o espaço é menor, e as pistas existentes devem ser transformadas em marginais. Do outro lado, há mais espaço, e serão construídas pistas paralelas ao viário municipal existente, que será mantido. Em alguns trechos, em áreas privadas próximas a rodovia, serão necessários desapropriações e necessidade de ajustes devido à população que mora no entorno.

Intertítulo – Prefeitura

O secretário de Transportes e presidente da Emdec, Carlos José Barreiro, afirmou que a Administração pública trata do assunto com a concessionária e governo estadual desde o início da discussão. “Definimos juntos os pontos de transposição, de ultrapassagem, as ligações das marginais com os bairros. A preocupação é assegurar que os bairros sejam atendidos com entrada e saída da marginal, além de acesso a rodovia. Também vamos tirar os ônibus da pista principal, que vão circular pelas marginais”, disse.

Segundo ele, haverá um desafogamento na rodovia no trecho entre as rodovias Anhanguera e Bandeirantes, facilitando o acesso ao aeroporto. “Estamos agora acertando os últimos detalhes com a concessionária, mas está praticamente pronto”, disse.

Em nota, a concessionária Rodovia das Colinas confirmou que o projeto executivo está em desenvolvimento e tem o prazo acordado de cinco meses para a sua conclusão. Segundo a empresa, “como a obra não consta no contrato de concessão assinado entre a AB Colinas e o Governo do

Estado, a sua inserção está sendo tratada junto à Artesp”.

Intertítulo – Comércio

Os comerciantes do entorno da rodovia Santos Dumont, localizados às margens da via, na pista municipal, acreditam que a obra de ampliação vai favorecer o negócio. A proprietária de um bar na pista, Gisele Benitez, de 25 anos, afirmou que o fluxo da pista vai melhorar, com a melhoria na sinalização. “Não acho que o meu bar vai fechar”, disse.

O funcionários de uma loja de autopeças, João Aparecido, de 45 anos, disse que a duplicação vai ser boa, também por causa da melhoria no trânsito. “A rua é um transtorno todos os dias. Diversos acidentes acontecem por falta de placas ou semáforos”, afirmou.

O dono de uma borracharia, José Eustáquio, de 65 anos, espera que a obra seja feita logo, para melhorar a vida dos comerciantes. “Já deveria ter sido feita há anos para evitar a confusão que é. Não acredito que meu comércio seja prejudicado”, disse.

RETRANCA - Rodovias da região

Fotos: Carlinhos

Vídeo: Dorinaldo

Sarah Brito

DA AGÊNCIA ANHANGUERA

[email protected]

A secretaria de Logística e Transportes do Estado de São Paulo iniciou este mês as obras de reforma na rodovia Luís Ometto (SP-306), no trecho que liga Santa Bárbara DOeste a Iracemápolis. As obras serão realizadas pelo DER. O custo é de R$ 64,6 milhões e a previsão é de 12 meses de duração. Entre os km 22 e 47,5, serão feitos serviços de recapeamento, pavimentação, implantação de faixas adicionais e alargamento de viaduto. A melhoria na pista está ligada a construção de uma fabrica da Mercedes-Benz na rodovia.

A indústria iniciou as obras no inicio do ano e a previsão de início das atividades é no primeiro semestre de 2016. Segundo o governo estadual, serão beneficiados mais de 482 mil habitantes dos municípios de Limeira, Santa Barbara DOeste e Iracemápolis.

Entre as melhorias na pista estão a repavimentação, a implantação de 12 quilômetros de terceiras faixa, em trechos de maior declive, além de 13 quilômetros de acostamento. Também estão previstos alargamento de um viaduto sobre linha férrea no quilômetro 25, execução de ponte no quilômetro 39,7e modernização do sistema de drenagem. Serão implantados 40 quilômetros de canaletas e sete quilômetros de drenos.

O secretario da pasta, Duarte Nogueira, afirmou que a obra vai gerar desenvolvimento econômico na região. “O governo tem por objetivo criar condições de melhoria para atrair novos investimentos. A região tem sido objeto de interesse de produção, não só de automóveis. Pudemos conciliar o investimento com a cadência da vinda da fábrica. E isso ajuda o ambiente de negócios”, disse.

Intertítulo – Limeira

A secretaria de Logística e Transportes do Estado também entregou ontem a terceira faixa da Anhanguera (SP-330), no trecho de Limeira. Foram 12 meses de obras, ao custo de R$ 28 milhões. O segmento que foi ampliado recebe em média 25 mil veículos por dia.

São 16,3 quilômetros entregues, nos trechos entre os quilômetros (km) 128 e o km 128,6 (sentido interior), km 140 ao km 147 (sentido interior) e do km 138,3 ao km 147 (sentido capital). Durante a obra entregue hoje foram gerados 200 empregos diretos e indiretos.

Após a entrega, foram iniciadas as obras de implantação de terceira faixa dos trechos restantes para completar a obra entre o km 128 e o km 147, em ambos os sentidos. Com investimento de R$ 33,5 milhões, essas obras têm previsão de conclusão em 12 meses.

As ampliações nesse trecho da Anhanguera são de responsabilidade da concessionária AutoBan, sob gerenciamento e fiscalização da ARTESP (Agência de Transporte do Estado de São Paulo).

As intervenções devem facilitar o acesso às indústrias da região e beneficiarão maia de 450 mil habitantes de Americana e Limeira, além de outros usuários do trecho.

Escrito por:

Sarah Brito Moretto