Publicado 07 de Maio de 2015 - 12h39

Por Marita de Siqueira

Marita Siqueira

DA AGÊNCIA ANHANGUERA

[email protected]

Foto: Divulgação

Setenta anos após a morte do poeta, pesquisador e musicólogo Mário de Andrade, as questões que ele levantou ainda continuam em evidência na música brasileira e são, por isso, o mote da reflexão proposta pelo projeto Música Erudita Contemporânea CPFL, com tema da série Os Mundos de Mário de Andrade: Por uma Voz Brasileira, que começa amanhã e segue até novembro com dois concertos por mês no espaço CPFL Cultura, em Campinas.

Por ora, há apenas a definição das apresentações desse mês. Na primeira, o pianista André Mehmari e a soprano Marília Vargas mostram o CD Engenho Novo com canções do folclore e obras de Villa-Lobos, Chiquinha Gonzaga, entre outros; amanhã, às 20h (leia mais nesta página). Na segunda, dia 23, também às 20h, a soprano Taís Bandeira, o pianista Guilherme Terra e o percussionista Rodrigo Sanches fazem o show Mário de Andrade – Entre o Sagrado e Humano com composições de Camargo Guarnieri, Aloysio de Alencar Pinto e outros.

Segundo o curador do programa, o jornalista e crítico musical João Marcos Coelho, a proposta é mostrar que 70 anos depois da morte Mário de Andrade, as questões que ele colocou estão mais importantes do que nunca para música brasileira. “A primeira grande questão que ele levantou foi a de que nós não somos europeus. Como disse em Pauliceia Desvairada (1922), Sou um tupi tangendo um alaúde!. André (Mehmari) tem essa irreverência do tupi. No segundo espetáculo, o trio traz melodias colhidas por Mário no Nordeste”, diz ele. “Outra lição de Mário foi que não tem que discutir popular e erudito, hoje é criação e comercial”, acrescenta.

As reflexões sobre a realidade musical brasileira atual a partir das reflexões do grande artistas do modernismo permearão até novembro o projeto Música Erudita Contemporânea CPFL.

Engenho Novo

O pianista e compositor André Mehmari e a soprano Marília Vargas executam canções folclóricas e obras de Chiquinha Gonzaga, Villa-Lobos, Waldemar Henrique e Vinícius de Moraes - com arranjos de Mehmari - no recital que será apresentado amanhã, cuja base de repertório está no disco Engenho Novo, lançado em 2014 e nunca apresentado na cidade. É justamente na questão folclórica que a obra da dupla se aproxima ao homenageado do projeto, Mário de Andrade.

“O folclore é a identidade nacional, a qual nos identificamos de maneira completa. Essas canções existem há muitos séculos e, se elas ainda continuam, é porque tem razão de existir e, para mim, é a identificação com o povo”, diz o pianista, que transita neste trabalho entre o folclore de outrora e a música contemporânea. “O folclore foi e é a matéria-prima para muitos compositores e eu, em particular, tenho um trânsito pela música contemporânea, dentro da qual atuo.”

Para Mehmari, a forma ele pensa o acompanhamento de uma canção popular ou folclórica é muito madrigalesca. “Similar a um baixo contínuo barroco, amplificando e enfatizando os afetos propostos pelo texto. As ocasionais citações e sobreposições melódicas acontecem espontaneamente e são um reflexo natural das minhas mais profundas crenças musicais”, afirma.

No programa do espetáculo estão composições de Villa-Lobos (Viola) Quebrada) Lobos com DoraVasconcellos (Canção do Amor e Cair da Tarde), Chiquinha Gonzaga (Lua Branca), Waldemar Henrique (Boi Bumbá e Uirapuru), Vinicius de Moraes (Serenata do Adeus – Tema de Orfeu e Valsa de Euridice), além de autorais e suíte infantil.

Agende-se

O quê: Música Erudita Contemporânea CPFL - Os Mundos de Mário de Andrade: Por uma Voz Brasileira

Quando: Amanhã e 23/5, às 20h

Onde: CPFL Cultura (Rua Jorge Figueiredo Corrêa, 1632, Chácara Primavera, Campinas, fone: 3756-8000)

Quanto: Entrada franca*

*Por ordem de chegada a partir das 19h; vagas limitadas.

Programação

Sábado, às 20h: André Mehmari (piano) e Marília Vargas (soprano) em Engenho Novo

Dia 23, às 20h: Taís Bandeira (soprano), Guilherme Terra (piano) Rodrigo Sanches (percussão) em Mário de Andrade – Entre o Sagrado e Humano

Escrito por:

Marita de Siqueira