Publicado 07 de Maio de 2015 - 12h02

Por Adagoberto F. Baptista

Morto ilustre: Daisy Jurgensen

Profunda conhecedora da mediunidade e responsável por um grande trabalho voluntário desenvolvido durante 73 anos junto ao Centro Espírita Allan Kardec (Ceak), Daisy Jurgensen Machado faleceu anteontem aos 91 anos. Seu sepultamento ocorreu ontem, no Cemitério das Aléias, e registrou a presença de muitos amigos e familiares. Daisy, confirmam os mais próximos, exemplificou energia e firmeza no cumprimento dos deveres assumidos para com a Casa Espírita e a Doutrina Espírita, mas a característica mais marcante foi a sua inteira disponibilidade para o acolhimento das criaturas, com imenso amor e generosidade.

Ainda agora, recentemente, deixou para todos os espíritas um legado importante nessa área, publicando o seu livro: “Acolhimento Fraterno na Casa Espírita”, publicado em 2014 pela Editora Allan Kardec. “Nossa querida Daisy plantou durante sua rica vida terrena, uma flor em cada coração daqueles com quem conviveu. Grande parte dos frequentadores do Centro chegaram à doutrina espírita e nela permaneceram pela forma amorosa e acolhedora com que foram atendidos por ela em suas maiores aflições”, disseram amigos. Construiu uma folha de trabalho imensa junto ao Centro espírita Allan Kardec, construindo uma história que se confunde com a própria história do Ceak de Campinas. Daisy atuou como dirigente junto à Mocidade Espírita, de 1947 a 1951, e na Evangelização infanto juvenil, de 1959 a 1967. Coordenou o Educandário Eurípedes, obra social do Ceak, de 1978 a 1992. Também assumiu cargos na diretoria do Centro a partir de 1970, alternando-se desde então entre a presidência e vice- presidência. Em 1992, foi eleita e reeleita presidente por várias gestões até 2010. “De nossa parte, a gratidão sincera pela importante convivência que tivemos com ela”, finalizaram.

Escrito por:

Adagoberto F. Baptista