Publicado 07 de Maio de 2015 - 5h30

Quem passa em frente à Casa da Criança Paralítica (CCP), localizada no Parque Itália, em Campinas, não imagina que por trás das paredes de tijolinho à vista existe uma iniciativa que cuida com muito carinho do meio ambiente. O Projeto CCP Sustentável, com base no gerenciamento de resíduos, foi idealizado para reforçar aos colaboradores, pacientes e voluntários da instituição a importância de se preservar o meio ambiente por meio do engajamento participativo de todos em ações que possam contribuir com a redução do desperdício, economia na utilização de insumos e produtos, reaproveitamento de materiais, separação de resíduos e destinação para reciclagem.

Na prática, é feita a separação do material reciclável, como copos, talheres, pratinhos, garrafas PET e plásticos em geral, e de material não reciclável, como restos de alimentos e guardanapos usados no refeitório e em eventos. A coleta de pilhas e similares também é estimulada. Pilhas, baterias de celulares e outros materiais do tipo são recolhidos e depois transferidos para os pontos de coletas instalados pela Prefeitura.

O mesmo destino tem algumas doações recebidas pelo bazar, ou seja, o que não dá para servir de matéria-prima nas aulas de artesanato e o que não dá para ser vendido ou reaproveitado, como metais, plásticos, isopor, máquinas e computadores. A cozinha também tem participação efetiva ao separar todo o óleo vegetal que foi descartado e encaminhá-lo para a Empresa Óleo & Óleo, que por meio da parceria, recolhe e transforma os litros recebidos em biocombustível.

O reaproveitamento de matéria orgânica produzida pelas 63 árvores frutíferas distribuídas em 9 mil metros quadrados de área livre da entidade são responsáveis pela grama verdinha e belas e graúdas frutas.

Porém, o sucesso do projeto depende primeiramente da conscientização de todos os envolvidos e a solução foi tentar persuadir as pessoas, de um modo geral, a colaborar e aderir aos objetivos de preservação ambiental adotados. Para Antônio Pedro Rodrigues, gerente administrativo da CCP, as medidas mais relevantes para reforçar a conscientização nas pessoas devem ser, em sua grande maioria, através da comunicação e, principalmente, por meio das atitudes. “As ações propostas foram banners informativos localizados próximos às lixeiras, folders nas mesas do refeitório, reforço positivo em confraternizações e reuniões para bordar os 3Rs (reduzir, reutilizar e reciclar), vídeos explicativos e educativos no refeitório, recepção e bazar, além de palestras. A estruturação foi outro ponto importante no esquema, ao ser toda pensada para facilitar e incentivar o descarte, como localização estratégica das lixeiras e logística que vai da captação até a destinação final”, descreve Toninho, como é conhecido.

Ao recordar como toda essa história sustentável começou, lá em 1998, nada mais justo do que citar Lilian Okada Mendes Robi, terapeuta ocupacional, Márcia Regina Ifanger Santos Angarten, psicóloga, e Mariane Kalil. O grupo iniciou o processo de reaproveitamento e reciclagem de papel. Elas batiam sobras em liquidificadores, misturavam com produto para dar aderência e cores à massa, colocavam em telas e secavam ao sol, fazendo novos papéis para uso de todos.

Coleta de água de chuva recebe últimos ajustes

Sem perder tempo, a Casa da Criança Paralítica incrementa o seu projeto ambiental com mais novidades e, em fase de montagem, acerta os últimos ajustes do projeto para coleta de água de chuva na própria sede. As palestras com os colaboradores da cozinha, limpeza e manutenção devem acontecer em breve e com mais frequência, e terão como tônica uma melhor seleção dos alimentos e produtos recicláveis.

Para o mês de junho, o tradicional arraiá, que acontecerá dia 26, um sábado, contará com decoração toda feita de material reciclável. Os adereços são produzidos pelos voluntários, equipe técnica e colaboração das mães dos atendidos.

Como acontece desde 2012, a Comissão Interna de Segurança (CSI) irá propiciar meios para separar o lixo gerado pelo evento e incentivar a separação pelos próprios membros das barracas.

O tema Reciclagem e Economia de Água, conta o gerente administrativo Antônio Pedro Rodrigues, foi proposto pela própria CSI à Sueli Aparecida Oliveira, coordenadora da festa, que acatou a proposta. “Hoje, estão todos trabalhando o tema reciclagem para a festa, que também serve como medida educativa. Todo o material promocional terá a seguinte frase: ‘Use a água com consciência! Recicle! A CCP apoia e incentiva esta causa’”, diz o gerente, que espera que ação atinja não só a equipe interna, mas também as mais de 3 mil pessoas aguardadas para a festa. (VT/AAN)

Projeto economiza energia para abastecer dez casas

A CPFL Paulista, maior distribuidora de energia elétrica do Grupo CPFL Energia, por meio de seu Programa de Eficiência Energética, realizou uma intervenção mês passado para que a Casa da Criança Paralítica de Campinas passe a economizar aproximadamente 22MWh de energia elétrica por ano. Essa quantidade de energia seria suficiente para abastecer cerca de dez residências com gasto em torno de 200KWh durante um mês. O investimento foi de R$ 49.740,00.

O projeto contempla a substituição do sistema de iluminação da sede da entidade, composto por 314 lâmpadas e doação de nove projetores. “Com projetos como esse, ampliamos nosso relacionamento com as comunidades, conscientizando de que a energia elétrica é essencial ao bem-estar das pessoas”, afirma Luiz Carlos Lopes Júnior, gerente de Eficiência Energética da CPFL Energia.

O programa de Eficiência Energética da CPFL, aprovado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), tem como objetivo promover a utilização racional da energia elétrica e o combate ao desperdício, contribuindo para a ampliação da reflexão da sociedade sobre o tema e atuando no desenvolvimento econômico, social e ambiental das áreas nas quais está presente. (VT/AAN)