Publicado 07 de Maio de 2015 - 5h30

O sistema de transporte coletivo de Campinas recebeu ontem 41 ônibus novos articulados e acessíveis, que substituirão veículos antigos no eixo Amoreiras-Rodovia Santos Dumont. Os ônibus da VB Transportes e Turismo começaram a circular ontem e vão beneficiar 22 mil passageiros por dia. As linhas que receberão os novos ônibus são a 1.17-DIC 6-Corredor Central, 1.31-Terminal Vida Nova e 1.90-Jardim São Domingos. Os veículos transportam 114 pessoas (sentadas e em pé), ante 70 nos carros tradicionais.

Os ônibus são equipados com piso rebaixado ou elevador para acesso de pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, e balaústres emborrachados para direcionamento ao botão de parada. Além disso, têm botão de parada com indicação em braile; espaço para cadeirantes; bancos para idosos, obesos e gestantes e encostos dos bancos mais altos, oferecendo mais conforto e comodidade aos usuários.

Outra vantagem dos articulados seria sua vida útil, bem mais longa que os ônibus convencionais, por terem suspensão mais reforçada. Com a entrada em operação dos novos veículos, a acessibilidade na frota da VB Transportes e Turismo chega aos 81%. Os novos ônibus são modelo Volvo B 340 e contam com motor eletrônico, computador de bordo com diagnóstico de falhas e suspensão pneumática com controle eletrônico.

Também serão beneficiadas com o investimento as linhas 1.54-Terminal Vila União, 1.64-Parque Tropical, 1.16-Terminal Ouro Verde, pois os ônibus que operavam nos trechos que receberão os novos articulados serão remanejados. A mudança irá permitir que essas linhas passem a operar com 100% da frota com veículos articulados nos dias úteis. Até agora, a 1.54 e a 1.64 operavam com ônibus articulados e convencionais enquanto a linha 1.16 contava apenas com ônibus convencionais.

O secretário de Transportes e presidente da Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec), Carlos José Barreiro, afirmou que a entrega é a quinta desde 2013, totalizando 350 novos veículos no período. “A renovação é grande, e corresponde a quase 30% da frota dos 1,2 mil ônibus. Com isso, chegamos a um número alto de frota acessível, o que é bacana, e uma idade média baixa. Isso é difícil em uma cidade desse porte, com mais de 1 milhão de habitantes”, disse. Segundo ele, cada ônibus custa em média R$ 800 mil.

No total da frota, a acessibilidade chega a 75,6% e a idade média geral caiu de 4,5 anos para 4,3 anos. O investimento da VB Transportes e Turismo — concessionária do transporte coletivo urbano da cidade — é de R$ 34 milhões e foi feito por meio de uma linha de financiamento do Banco Volvo e do Finame do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O prefeito Jonas Donizette (PSB) afirmou que os ônibus são destinados para a periferia, onde há reclamações de coletivos velhos e que quebram muito.

“É uma resposta para o problema. Além disso, são acessíveis e articulados, o que aumenta a capacidade, principalmente nesses pontos onde há lotação no ponto de partida”, disse.