Publicado 09 de Maio de 2015 - 5h30

Os novos contratados do Guarani, o zagueiro Gladstone e o atacante Diego Clementino, que foram apresentados ontem, encaram o Campeonato Brasileiro da Série C como um grande desafio e, por terem passagens por times de expressão no futebol nacional, pressão por resultado não será problema.Gladstone, que entre outras equipes jogou no Cruzeiro e Palmeiras, realizou amistosos com a Seleção Brasileira e atuou no Exterior, afirma estar bastante motivado para encarar sua primeira Série C. "Encaro o desafio com muita importância na minha carreira. Apesar de ter passado por grandes clubes, estou buscando meu espaço aqui. Talvez tenha feito algumas escolhas erradas na minha vida e hoje estou colhendo por elas. Mas agradeço muito ao Guarani pela confiança", disse o zagueiro.Com as contratações dos zagueiros Gladstone e Reniê, o Bugre fecha os reforços no setor que também conta com Thiago Carpini, Guilherme e Tiago Gasparetto. Gladstone avalia que a defesa alviverde está bem servida e que a briga pela titularidade promete ser acirrada. "O Ademir Fonseca é muito bom de fazer grupo e quem vier vai brigar frente a frente pela posição", acredita Gladstone. "Na defesa, temos bons jogadores. Reniê vem para ajudar, o Guilherme é uma pérola a ser lapidada, que tem tudo para jogar em grandes clubes, o Carpini vem atuando bem e tem o Gasparetto. Creio que a rotatividade do grupo vai ser grande, até mesmo por ser um campeonato longo."Outro que também chega para lutar por seu espaço é o atacante Diego Clementino, velho conhecido de Fonseca. "É um treinador que conheço há bastante tempo, o respeito e ele respeita meu trabalho. Mas sei que não tenho cadeira cativa aqui e vou ter que trabalhar bastante para buscar o meu espaço", afirmou.O atacante estava no Villa Nova e foi titular durante o Campeonato Mineiro, no qual disputou 10 dos 11 jogos da equipe e fez um gol. Ao explicar suas características ofensivas, Diego Clementino diz que é mais de apoiar o ataque do que propriamente balançar as redes. Contudo, quando defendeu o Grêmio em 2010 chegou até a receber o apelido de Clemengol, pois entrava no final das partidas e deixava a sua marca."Foi uma fase muito boa que tive, eu entrava e fazia muitos gols. Mas sempre deixei bem claro que sou aquele atacante dos lados, sou aquele que serve. Mas claro que como atacante gosto de fazer os meus gols, de estar perto do gol, para ajudar a minha equipe a vencer", disse.

NOTAS DO BUGRE

Gerente de futebol

O preparador de goleiros Gléguer terá dupla função no Guarani. Ele acumulará o cargo de gerente de futebol que até o final da A2 era desempenhado por Sérgio do Prado, que se transferiu para o Bragantino. Mas Gléguer cuidará só da logística do time, sem envolvimento nas contratações de jogadores.

Nunes

O atacante Nunes não aceitou a redução de salário para permanecer. A política atual da diretoria é trabalhar com uma folha salarial de no máximo R$ 220 mil, mas haverá um esforço extra para manter o artilheiro.

Martinez

O clube ainda busca um meia e nos bastidores o nome de Luiz Fernando Martinez, revelado pelo Guarani, é a bola da vez. Ele defendeu o Criciúma na temporada passada, mas atualmente está sem clube.