Publicado 06 de Maio de 2015 - 5h30

Considerada talvez a menor das quatro forças que chegaram às semifinais da Liga dos Campeões, a Juventus surpreendeu ontem, principalmente por sua postura diante do gigante Real Madrid. Em Turim, dominou boa parte do jogo e venceu com autoridade o jogo de ida por 2 a 1. O resultado, no entanto, deixa o confronto em aberto para a volta, que acontecerá na quarta-feira que vem, em Madri

Para avançar à decisão, o Real Madrid precisa de uma vitória simples, por 1 a 0, mas a Juventus mostrou que não facilitará a tarefa do rival. Por mais que o favoritismo estivesse do lado dos atuais campeões europeus, os italianos mostraram um futebol impetuoso, digno de quem garantiu o quarto título nacional consecutivo com antecipação e deseja voltar a uma final de Liga depois de 12 anos

E o grande personagem da vitória foi um velho conhecido do futebol brasileiro. Carlitos Tevez foi o melhor em campo. Participou ativamente do primeiro gol, de Morata, após rebote de Casillas em chute do argentino, e marcou o segundo, de pênalti, sofrido por ele mesmo. Cristiano Ronaldo marcou para o Real Madrid e James Rodríguez ainda acertou o travessão quando o duelo estava empatado em 1 a 1.

A Juventus deu o primeiro chute aos 3’, com Storari. Casillas defendeu. A intensa pressão surtiria efeito aos 7’. Marchisio encontrou Tevez com total liberdade na área, o argentino bateu cruzado e Casillas espalmou. Mas Morata apareceu para empurrar a bola para a rede. O Real Madrid só conseguiu respirar e se lançar ao ataque pela primeira vez quando já estava em desvantagem, aos 12’. Kroos arriscou de longe e exigiu ótima defesa de Buffon. Mas foi só. A Juventus chegou próxima do segundo gol aos 18’, quando Storari fez boa jogada pela esquerda e rolou para Tevez, que bateu para fora.

Aos poucos, o Real Madrid foi equilibrando a partida e Cristiano Ronaldo começou a aparecer. Aos 23’, o português bateu torto quando recebeu sozinho pela esquerda. Três minutos depois, no entanto, ele não perdoou. Carvajal deu linda enfiada para James Rodríguez, que foi melhor ainda no cruzamento para Cristiano Ronaldo. O atacante, então, desviou de cabeça para a rede. Aos 40’, Marcelo encontrou Isco pela esquerda e o meia cruzou. James Rodríguez mergulhou de cabeça e a bola explodiu no travessão.

A conversa de Massimiliano Allegri com seus comandados no intervalo parece ter surtido efeito porque a Juventus voltou novamente a pleno vapor no segundo tempo. Aos 11’, Tevez puxou contra-ataque e foi para cima de Carvajal, que o calçou dentro da área. O árbitro deu pênalti, que o próprio Tevez bateu.

Desta vez, a Juve soube administrar a vantagem e diminuiu o ritmo. Por mais que seguisse dona da posse, já não agredia tanto. Com isso, impedia que o Real chegasse. O tempo foi passando e os sinais já eram de satisfação de ambos os lados, já que as equipes não exibiam qualquer desejo de se arriscar no ataque. Já nos acréscimos, Llorente ainda perdeu grande chance de cabeça. (Da Agência Estado)

JUVENTUS

Buffon; Chiellini, Bonucci, Lichtsteiner e Evra; Marchisio, Pirlo, Vidal e Sturaro (Barzagli); Morata (Llorente) e Tevez (Pereyra). Técnico: Massimiliano Allegri.

7

Marcou Tevez nesta Liga dos Campeões. Nas outras cinco edições que disputou, marcou 6.

Pep Guardiola volta ao Camp Nou com o Bayern

Amigos, amigos, negócios à parte. É com esse espírito que o técnico Pep Guardiola pisará hoje no gramado do estádio Camp Nou, em Barcelona, para dirigir o Bayern de Munique na primeira partida da semifinal da Liga dos Campeões da Europa contra o Barcelona. "É uma emoção muito grande voltar a este estádio e enfrentar o Barcelona, o clube ao qual devo tudo o que sou. Mas não estou aqui como turista nem para ser homenageado e sim para tentar ganhar o jogo". O jogo começa às 15h45 (Globo, Band e ESPN Brasil).

Como treinador do Barcelona, ele conquistou 15 títulos em quatro anos, dois deles na Liga dos Campeões. E transformou Messi em uma máquina de fazer gols — os números do argentino com os técnicos anteriores a Guardiola não chamavam a atenção. "Se Messi está bem, não existe sistema tático nem treinador capaz de pará-lo. Tentaremos fazer com que ele receba poucas bolas, mas com o talento que tem ele pode resolver o jogo de qualquer maneira."

O Bayern de Munique não poderá contar com três titulares importantes: o lateral-esquerdo Alaba e os atacantes Robben e Ribéry. O centroavante Lewandowski, que há uma semana fraturou o nariz e a mandíbula, deverá jogar protegido por uma máscara.

No Barcelona, o técnico Luis Enrique tem força máxima à disposição. E tem como trunfo o grande momento vivido por seus três homens de frente. Messi, Suárez e Neymar já marcaram 108 gols na temporada e nas duas últimas partidas o time balançou a rede 14 vezes e não sofreu nenhum gol (6 a 0 no Getafe e 8 a 0 no Córdoba, ambos pelo Campeonato Espanhol).

Luis Enrique está tão feliz com o time que abandonou a sua habitual prudência para falar abertamente da possibilidade de ganhar a tríplice coroa (o time lidera o Campeonato Espanhol e está na final da Copa do Rei, contra o Athletic Bilbao). "É uma ideia que me agrada muito. E temos condição de conseguir isso." (AE)