Publicado 05 de Maio de 2015 - 10h40

Luan já confessou o crime e se entregou às 16h da última sexta-feira (1), acompanhado dos pais e do advogado

Reprodução

Luan já confessou o crime e se entregou às 16h da última sexta-feira (1), acompanhado dos pais e do advogado

O delegado que preside o inquérito que apura o assalto à equipe da TV Tribuna durante transmissão ao vivo deve ficar pronto até o fim desta semana. A prisão temporária do suspeito de cometer o crime, Luan do Nascimento da Silva, de 21 anos, vence nesta terça-feira (5), e a prorrogação do prazo por mais cinco dias deve sair nas próximas horas.

Segundo o delegado Marco Antonio Couto Perez, o delegado que preside o inquérito, Sérgio Lemos Nassur, já pediu à Justiça a prorrogação da temporária. “O novo prazo foi pedido a fim de que se possa colher todos os elementos necessários para concluir o inquérito”, afirmou Couto Perez, explicando que dentre estes elementos está parte do trabalho de reconhecimento das vítimas do rapaz.

Luan já confessou o crime e se entregou às 16h da última sexta-feira (1), acompanhado dos pais e do advogado.

Ele devolveu os dois celulares e a pulseira de ouro roubadas e disse que ouviu conselho dos pais para se apresentar à Polícia. Disse ainda que o praticou por causa de dívidas de drogas. Também argumentou estar arrependido e receoso de lhe “acontecer coisa pior”.

Luan já teve passagens na Fundação Casa por furto quando era adolescente. Aposentado por invalidez, o pai de Luan, Antônio da Silva, de 50 anos, ficou bastante emocionado após o filho se apresentar.

Evangélico, Silva explicou o seu incentivo para que o filho se entregasse. “É melhor. Não posso aceitar coisa errada. Já chorei muito. Não estou nem comendo direito, porque é feio né. A gente não quer que aconteça o mal com ninguém”.

Arma de brinquedo

No assalto que foi assistido em tempo real pelos telespectadores da TV Tribuna, afiliada da Rede Globo no Litoral Paulista, uma pulseira de ouro e um dos telefones foram tomados do diretor da Vigilância em Saúde de Guarujá, Marco Antônio Chagas Conceição.

Ele estava sendo entrevistado pela repórter Tatyana Jorge, às 12h30 da terça-feira passada (28), em frente à Prefeitura. O outro celular foi levado do cinegrafista Alfredo Neto.

Sobre o revólver utilizado no assalto, na presença de seu advogado, Luan disse que ele é de “brinquedo” e o perdeu durante a fuga.

Luan está preso na cadeia anexa do Distrito de Vicente de Carvalho, em Guarujá. Se depender da Polícia, ficará mais tempo por lá, já que o delegado Couto Perez afirmou anteriormente que pedirá a preventiva do acusado à Justiça assim que encerrar a investigação.