Publicado 06 de Maio de 2015 - 5h00

Por Milene Moreto

As contas de 2011 da Prefeitura de Campinas foram reprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), o que já era esperado, afinal, a cidade passou na mão de três prefeitos naquele ano e praticamente nada foi feito devido à crise política gerada pelo Caso Sanasa. Bom, quem tem um problema nas mãos agora é a Câmara. Isso porque o parecer já está lá e, se mantido, poderá gerar a inelegibilidade de Hélio de Oliveira Santos (PDT), Demétrio Vilagra (PT) e Pedro Serafim (PDT).

Avaliação

Serafim tem objetivos políticos para o ano que vem e tem feito tentativas de afastar qualquer tipo de inelegibilidade. Ele alega que não pode ser responsabilizado pelos atos do governo já que ficou apenas seis dias no poder em 2011. Ele era presidente da Câmara quando as cassações ocorreram e tinha apoio de praticamente todos os parlamentares, tanto que foi eleito de forma indireta em 2012 como prefeito de Campinas.

Articulação

Serafim quer que a Câmara de Campinas tire seu nome do processo e julgue apenas quem ficou por um período maior, ou seja, Demétrio e Hélio. Acontece que na Casa, apesar de alguns parlamentares terem participado do processo de cassação ao lado do pedetista, a maioria hoje apoia o prefeito Jonas Donizette (PSB), e deixar Serafim inelegível poderia ser benéfico para o peessebista, que eliminaria automaticamente um provável concorrente. A situação promete gerar polêmica no Legislativo.

Calmaria?

Apesar dos interlocutores de Jonas afirmarem que o momento é de “calmaria” nas articulações políticas para 2016, uma vez que o grupo do prefeito conseguiu o apoio de quase todos os partidos na cidade, algumas legendas que não integram o bloco andam com suas agendas cheias. Na próxima semana, pelo menos três encontros de peso devem ocorrer em terras campineiras para definir quais serão os rivais do prefeito. E vem gente até de Brasília para os encontros.

Nomes

Por falar em eleição, enquanto os partidos se organizam para lançar seus candidatos, a Justiça Eleitoral também começa a se preparar para a disputa do ano que vem com a escolha dos juízes responsáveis pelo registro dos concorrentes e fiscalização do processo. Nas eleições municipais o trabalho é dobrado. Em Campinas, o diretor da Cidade Judiciária, Luiz Antônio Alves Torrano, é cotado para assumir a 275ª Zona Eleitoral.

Reforma

A Câmara de Campinas finaliza nos próximos dias o projeto para a reforma do prédio. Segundo o presidente da Casa, Rafa Zimbaldi (PP), vários reparos precisam ser feitos, o que inclui troca da rede elétrica e o conserto da goteira no plenário. Não existe ainda estimativa de quanto essa obra irá custar.

Ops!

A nova mesa de negociação do Sindicato dos Servidores de Campinas com os integrantes do governo Jonas será no próximo dia 13 e não dia 15, conforme a coluna informou ontem.

Painel

Outro problema que deverá ter um desfecho em breve na Câmara de Campinas é a questão do painel eletrônico. Rafa disse que espera o fim das comissões que investigam o caso para avaliar se o programa que já foi comprado pela Casa na gestão de Serafim ainda poderá ser utilizado. Caso contrário, ele afirmou que fará novas cotações porque considera o sistema importante para o Legislativo da cidade. O pepista disse ter todo o interesse em ter o sistema em operação ainda no seu mandato.

Escrito por:

Milene Moreto