Publicado 08 de Maio de 2015 - 19h57

Por Da agência Brasil

Em assembleia no vão-livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp), os professores da rede pública estadual de São Paulo decidiram manter a greve, que, no próximo dia 13, completa dois meses. A principal reivindicação é aumento salarial de 75,33%. Uma nova assembleia da categoria está marcada para a próxima sexta-feira (15), também no vão-livre do Masp.

Segundo a presidenta do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo, Maria Izabel Azevedo Noronha, a greve continua porque a categoria considera inadmissível a posição do secretário estadual da Educação, Herman Voorwald, “de não oferecer nada”.

Maria Izabel comentou ainda a liminar concedida nesta quinta-feira (7) pela juíza Celina Kiyomi Toyoshima, da 4ª Vara da Fazenda Pública, que proíbe que o governo desconte os salários dos grevistas enquanto a greve não for julgada legal ou ilegal. O governo paulista estava descontando o ponto dos professores parados. “A nossa greve ainda não foi julgada, portanto não tem como descontar alguma coisa”, disse a sindicalista.

Na quinta (7) ocorreu uma audiência de conciliação no Tribunal de Justiça de São Paulo entre os professores e a representantes da Secretaria de Estado da Educação, que terminou sem acordo. Com isso, o dissídio coletivo de greve segue agora para sorteio de relator e julgamento.

Em entrevista a jornalistas, o secretário de Educação disse que não há qualquer possibilidade de o governo oferecer aumento aos professores neste momento. “A secretaria não apresentará qualquer proposta se não tivermos absolutamente claro o comportamento da arrecadação do estado. É público que o país passa por um processo de queda de arrecadação e, qualquer que seja, a sinalização de uma política salarial tem que ser feita com muita responsabilidade”, disse.

Por volta das 15h40 desta sexta-feira (8), quando a assembleia estava começando, a Polícia Militar estimou a presença de mil professores no vão-livre do Masp. Neste momento, os professores seguem em caminhada pela Avenida Paulista com destino à Marginal Tietê.

Uma nova reunião entre governo e professores está agendada para quarta-feira (13), a partir das 9h, mas sem a intermediação do tribunal.

Escrito por:

Da agência Brasil