Publicado 07 de Maio de 2015 - 5h00

Por Gustavo Abdel

Carmen Silvia Nascimento Bernardes acredita que o novo sistema irá facilitar o trabalho da direção

Rodolfo Soares/Prefeitura de Valinhos

Carmen Silvia Nascimento Bernardes acredita que o novo sistema irá facilitar o trabalho da direção

Diretores de oito escolas municipais de Valinhos vão monitorar o que acontece dentro e fora das unidades através de um aplicativo baixado no celular. A partir da próxima semana, essa tecnologia permitirá que imagens de 92 câmeras de segurança instaladas nas escolas estejam nas mãos dos educadores, que auxiliarão a Guarda Civil Municipal (GCM) em caso de ocorrências.

Os diretores terão como suporte três centrais de monitoramento que transmitirão 24h as imagens para a Secretaria Municipal de Defesa do Cidadão. O programa municipal “Escola Protegida, Educação Garantida” tem um custo de R$ 124 mil. Outro dispositivo de segurança que está sendo implantado nas escolas é o botão de pânico para emergências, também interligado à GCM. A proposta é estender o programa para todas as unidades escolares de Valinhos.

Alarmes

Segundo o diretor da Guarda, Sidnei Batista dos Santos, atualmente está em processo de finalização a instalação dos softwares de gerenciamento do sistema e alarmes, que estarão conectados às centrais de monitoramento. “Dentro de aproximadamente dez dias todo o projeto estará em pleno funcionamento”, garantiu Batista.

A diretora do Centro Municipal de Educação Infantil (Cemei) Antonio Montero Filho, Carmen Silvia Nascimento Bernardes, de 51 anos, acredita que o monitoramento via celular irá facilitar o trabalho da direção. “O gestor é um agente social, e na Educação Infantil a função é educar e cuidar. Fizemos um breve teste e será super fácil usar o aplicativo para acessar as imagens. O interessante é que elas ficam gravadas”, disse a diretora. A Cemei atende 120 crianças de 0 a 3 anos e sete câmeras foram instalados no prédio, no bairro Jardim São Marcos.

Preservar o patrimônio

O diretor Edvaldo Fernandes da Silva, de 50 anos, da Escola Municipal de Educação Básica (Emeb) Professora Marli Borelli Bazetto, avalia a nova ferramenta como “mais um apoio na conservação do patrimônio público e segurança à comunidade escolar”. A unidade já possuía 14 câmeras, recebeu mais duas e as imagens atualmente vão para um monitor na mesa do diretor. “Já aconteceu acidente e pudemos através da gravação mostrar as imagens para os pais”, lembrou.

Para Silva, a tecnologia no celular se torna um compromisso aos diretores, que pelo menos duas vezes por dia acessarão as imagens, às vezes aos finais de semana, para saber se está ocorrendo tudo dentro da normalidade. A Emeb tem aproximadamente 570 alunos mas uma frequência de mais de 700 por dia.

A rede

Assim como ocorreu nos bairros Jardim São Marcos e São Bento do Recreio, o projeto incluiu ainda a instalação de uma câmera digital dome no alto do Bairro Parque Portugal, que permite zoom de até 36 vezes para leitura de placas de veículos.

As escolas que foram recentemente contempladas com o projeto, e já receberam câmeras, são as do complexo educacional do Jardim São Marcos, que inclui as Escolas Municipais de Educação Básica (Emebs) São Marcos e Dom Bosco e o Centro Municipal de Educação Infantil (Cemei) Antonio Montero Filho (29 câmeras), além da Emeb Horácio de Salles Cunha (16 câmeras), no bairro São Bento do Recreio; Emeb Tomorahu Kimbara (10 câmeras), no Macuco; Emeb Professora Edina Bampa da Fonseca (16 câmeras), na Reforma Agrária e Emeb Dona Carolina de Oliveira Sigrist (16 câmeras), no Capivari.

Escrito por:

Gustavo Abdel