Publicado 05 de Maio de 2015 - 15h12

Por Marita Siqueira

Tilápia ensopada é prova do talento de Marilda como mestre-cuca e primeira-dama do Sport Bar Valdez

Fotos: Leandro Ferreira/AAN

Tilápia ensopada é prova do talento de Marilda como mestre-cuca e primeira-dama do Sport Bar Valdez

Há 28 anos, quando sítios e fazendas limitavam o território do Parque Jambeiro, Valdez e Marilda, recém-casados e chegados a Campinas, resolveram explorar a área. Entre mato alto, gados e cavalos pastando na "terra de Marlboro", como diz Valdez, tiraram as moedas do cofrinho, venderam o que podiam e abriram uma sorveteria. Do gelado veio o lanche e, mais tarde, as guloseimas juvenis deram lugar ao boteco-mercadinho Sport Bar Valdez. As transformações vieram na órbita da forte urbanização que atingiu o bairro na última década.

 

Foto: Leandro Ferreira/AAN

O Bar Valdez não tem nada especial, mas conquista pelo jeitão "tudo junto e misturado". Tanto pela decoração com garrafas por todos os cantos e pelo jukebox valendo R$ 1 a ficha de duas músicas, quanto pelo rango comunitário. Lá não tem cardápio, nem porção. Às vezes, sai um banquete, mas funciona da seguinte forma: a galera leva os alimentos, Marilda cozinha e todos marcam um dia para a esbórnia, geralmente, aos finais de semana.

 

Enquanto estive no bar, dois fregueses apareceram com suas "oferendas" - um levou peixe e o outro, torresmo -, ingredientes que receberiam o talento de mestre-cuca da simpática primeira-dama do estabelecimento, o qual comprovei no delicioso tempero da tilápia ensopada e no feijão de corda que ela fez de boas-vindas. Me servi na tigela de barro, com parcimônia devido aos espinhos. Basta ter calma e apreciar entre um gole e outro.

 

Foto: Leandro Ferreira/AAN

Tilápia ensopada é prova do talento de Marilda como mestre-cuca e primeira-dama do Sport Bar Valdez

Tilápia ensopada é prova do talento de Marilda como mestre-cuca e primeira-dama do Sport Bar Valdez

Fixado na Avenida Paulo Correa Vianna (sequência da Washington Luís) há exatos 20 anos, o bar virou parada dos bairristas após o trabalho. O que se vê no dia a dia, de fato, é que o pessoal dá aquela passadinha antes de ir pra casa para tomar uma cerveja, conversar, assistir futebol na TV e levar mais algumas garrafas para fechar a noite. Aos finais de semana, a turma costuma levar carne para fazer churrasco.

 

Valdez tem intenção de reformar o lugar para oferecer comida rotineiramente. Por ora, a graça está na cordialidade das pessoas e na cervejinha gelada.

 

Sport Bar Valdez

Avenida Paulo Correa Vianna, 480, Parque Jambeiro, Campinas, f. (19) 3279-1997. Aberto de segunda a sexta-feira, a partir  das 16h; sábado e domingo, a partir das 9h.

Meu boteco preferido

Descrição: Gustavo Nénão, grafiteiro - Crédito:

"Além de ter realizado um dos meus melhores trabalhos lá, o que faz com que eu tenha grande carinho pelo bar, a coxinha de massa de mandioca não tem igual. Ando viajando bastante e nenhuma que provei foi melhor."

NÃO DEIXE DE OUVIR

Descrição: - Crédito:

A cantora Ná Ozzetti e o pianista e compositor José Miguel Wisnik uniram talentos numa parceria de 30 anos, mas que só agora se concretizou em disco. Ná e Zé (Circus Produções) traz 14 canções compostas por Zé Miguel entre 1978 e 2014, oito delas inéditas. Entre elas, poemas musicados de Paulo Leminski, Fernando Pessoa, Cacaso e Oswald de Andrade. Um disco refinadocom sonoridade doce e músicas elaboradas.

Essa é boa!

O garçom fala para o freguês:
- O prato da casa hoje é língua ao molho madeira.
- Não, língua não! Tenho nojo de qualquer coisa que sai da boca de um animal.
- Então, que tal uma omelete?

Escrito por:

Marita Siqueira