Publicado 26 de Março de 2015 - 10h56

Por Agência Estado

O Corinthians aceitou ceder seu estádio para receber partidas dos torneios masculino e feminino de futebol da Olimpíada de 2016

France Press

O Corinthians aceitou ceder seu estádio para receber partidas dos torneios masculino e feminino de futebol da Olimpíada de 2016

Basta um empate, nesta quinta-feira, às 19h30, contra o Penapolense, pela 12.ª rodada do Campeonato Paulista, para o Corinthians chegar aos 27 jogos sem derrotas no estádio Itaquerão. Assim, o time superará em menos de um ano da sua nova arena uma marca que demorou décadas para ser construída no Pacaembu, antiga casa alvinegra.

Entre 2008 e 2009, sob o comando do técnico Mano Menezes, a equipe teve a melhor sequência da sua história no Pacaembu com 26 jogos de invencibilidade, marca que foi repetida no Itaquerão na última terça-feira com a vitória por 2 a 0 sobre a Portuguesa. A arena poderá passar a ser a partir desta quinta o segundo estádio de maior invencibilidade da história do clube ao lado da Chácara da Floresta, onde o Corinthians ficou 27 jogos sem derrota entre 1919 e 1923. O Parque São Jorge lidera a lista com 49 partidas invictas de 1956 a 1960.

O Corinthians sofreu apenas uma derrota até agora no Itaquerão. Foi na abertura do estádio, no dia 18 de maio do ano passado, contra o Figueirense. Depois, o time obteve 20 vitórias e seis empates. O técnico Tite tem motivado o elenco a bater recordes históricos. “Eu desafio os atletas a conquistar essas marcas. Isso acaba sendo um combustível para continuar mantendo um bom desempenho”, disse.

A última marca alcançada este ano foi de melhor início de Estadual desde 1970, com nove vitórias e dois empates. “É mais um marco e um tabu. Antes desse jogo com o Penapolense precisávamos igualar a campanha de 45 anos atrás. Agora, o Tite já falou que precisamos superar o número de jogos invictos no Pacaembu”, disse Petros.

O volante deve ter uma chance entre os titulares após ganhar pontos com Tite por se colocar à disposição para jogar na lateral esquerda diante da Portuguesa. “Aqui não pode ter vaidade. O Tite não tinha ninguém para colocar na lateral esquerda, então eu me coloquei à disposição. Não seria certo ele colocar um garoto como o Malcom por exemplo, que poderia ir mal e ficar marcado por isso. Tenho uma boa noção de marcação e fiquei feliz com a minha atuação”, afirmou.

Titular no ano passado com Mano Menezes, o volante perdeu espaço na equipe com a chegada de Tite. Agora, para retornar ao time, ele diz que pode jogar em várias posições. “Não sou de escolher. Jogo em qualquer função. A hora que tiver minha oportunidade, para largar vai ser muito difícil”, disse.

Tite comandou nesta quarta-feira um treino tático com apenas 10 jogadores. O treinador deixou a posição de segundo volante vaga. Brigam pelo lugar Petros e Bruno Henrique. Após jogar contra Capivariano (no último domingo) e Portuguesa (terça), Cristian vai ganhar descanso e não foi nem relacionado para a partida.

O treinador vai manter o rodízio de atletas para enfrentar a maratona de quatro jogos em oito dias da equipe no Estadual. A ideia de Tite é superar esses jogos sem lesões para o time chegar inteiro para a partida que realmente interessa, na próxima quarta-feira, contra o Danubio, pela Copa Libertadores.

Escrito por:

Agência Estado