Publicado 25 de Março de 2015 - 12h13

Por Rogério Verzignasse

ÍíFotos lindonas da Dominique, feitas quando preparei matéria sobre a Adacamp no Projeto Cidadão RAC, ainda em 2013. Tem várias imagens salvas pelo Gustavo do Cedoc no hermes, de técnicos trabalhando atividades com jovens assistidos.

Ação social ||| Adacamp

Almoço solidário ajuda na assistência a autistas

Evento gastronômico ajuda a manter serviços de entidade assistencial fundada há 25 anos

Chefs voluntários

mantêm apoio

histórico à causa

Rogério Verzignasse

DA AGÊNCIA ANHANGUERA

[email protected]

A Associação para o Desenvolvimento dos Autistas de Campinas (Adacamp) _ instituição beneficente mantida por voluntários há 25 anos _ promove neste domingo, dia 29, um evento de gastronomia solidária, que tem o objetivo de levantar recursos que serão investidos na manutenção dos serviços prestados. Serão 27 tendas de alimentação e seis food trucks espalhados pela sede da entidade, no Parque Itália. À frente do projeto estão os chefs Luciano Antonello e Carlos Louredo, antigos colaboradores da casa.

A ideia é oferecer opções variadas de refeição para toda a família: massas, carnes, sorvetes, pratos regionais e internacionais, doces, lanches... Cada tenda será administrada por um cozinheiro, representante de bar ou restaurante da cidade. O ingresso no espaço é gratuito.Cada prato vai custar entre R$ 15,00 e R$ 30,00. E o dinheiro arrecadado _ debitados os gastos com a montagem da estrutura _ vai para o caixa da entidade. Os portões se abrem às 11h, mas a festa promete varar a tarde.

Tradição

A Adacamp, desde sua fundação, presta auxílio gratuito a autistas. E o apoio dos grandes cozinheiros à causa não é nenhuma novidade. Luciano Antonello, um dos organizadores do almoço de domingo, é diretor voluntário da entidade, e idealizador de um outro evento já bastante conhecido, o Chefs pela Solidariedade. Profissionais renomados se oferecem para organizar jantares refinados, ocasionalmente. Não cobram nada, e ainda levam para o salão equipamentos e funcionários de apoio.

Na onda do food truck, que faz o maior sucesso entre os jovens, agora a entidade pretende reunir um público mais despojado, com faixas etárias variadas.

A entidade

A Associação para o Desenvolvimento dos Autistas em Campinas (Adacamp) foi fundada em maio de 1989. Na época, um grupo de pais de crianças autistas conseguiu a doação de um terreno de 5 mil metros quadrados, no Parque Itália. A gleba pertencia ao Município. Filantrópica, a instituição passou a oferecer tratamento especializado e gratuito as pacientes de toda a região. Na inauguração, a entidade funcionava em salas improvisadas com madeira, que chegaram a ser destruídas por um incêndio em 1997. A reinauguração da Adacamp aconteceu no dia 25 de abril do ano seguinte, mas o atendimento não foi interrompido um dia sequer. As crianças eram acolhidas em uma chácara. Empresários e colaboradores anônimos assumiram os custos da construção e da compra de equipamentos. Até hoje, as dependências são adaptadas com recursos doados ou arrecadados em eventos. A associação também conta com verbas previstas em emendas parlamentares apresentadas por deputados da região. Todos os diretores são voluntários.

SERVIÇO

O Adacamp Food Park – Gastronomia Solidária acontece das 11h às 18h de domingo, dia 29, na sede da entidade, Rua Padre Francisco de Abreu Sampaio, 349, Parque Itália, Campinas. Maiores informações podem ser conseguidas pelos telefones (19) 3272-9179, 3272-7889 e 3272-2271.

BOX

O autismo foi descrito oficialmente na primeira metade do século 20 pelo médico austríaco Léo Kanner, que na época observou um grupo de crianças que apresentava falta de interesse nas outras pessoas, eram isoladas e se apegavam a rotinas estabelecidas. A identificação do transtorno de desenvolvimento é precoce (primeiros três anos de vida) e o curso, crônico, causa impacto em áreas como o estabelecimento das relações pessoais, o desenvolvimento da linguagem e comunicação, o aprendizado. Não há um gene único na determinação do transtorno. O tratamento precisa ser individualizado.Não deve ser puramente médico, medicamentoso ou psicológico. Exige planejamento estruturado considerando-se a etapa de vida de cada paciente, com atendimento multiprofissional (terapia ocupacional, pedagogia, fonoaudiologia e assistências complementares). O deficit de atenção, a ansiedade, as oscilações de humor e comportamento variam muito de um autista para outro, e exigem intervenções pontuais.

O NÚMERO

198

JOVENS E ADULTOS

São atendidos atualmente na Adacamp, em turnos e horários que dependem da complexidade de cada caso.

Escrito por:

Rogério Verzignasse