Publicado 24 de Março de 2015 - 20h06

Por Carlos Augusto Rodrigues da Silva

Embalado e em busca de uma vaga nas quartas de final do Campeonato Paulista, o Red Bull Brasil tem hoje a chance de entrar na zona de classificação do grupo A. O Toro Loko visita o Marília, pior time do torneio e virtualmente rebaixado, às 19h30, no Estádio Bento de Abreu Sampaio Vidal, precisando vencer e torcendo por pelo menos um empate do Mogi Mirim, que no mesmo horário encara o Linense. A distância da equipe campineira para o Sapão é de dois pontos (15 a 17) e faltam quatro rodadas para o fim da primeira fase.

Depois de frequentar as últimas posições e flertar com a zona de rebaixamento, o Red Bull reagiu nos últimos três jogos – venceu Rio Claro e Botafogo e empatou com o Corinthians -, aproveitou a queda dos adversários diretos e entrou na briga. E é esse bom momento que a equipe espera manter para alcançar a segunda posição da chave. “Agora não dá para tropeçar em mais nenhum jogo. O foco e dedicação tem que ser totais porque ainda temos um caminho muito difícil para conseguir a classificação”, avisa o técnico Maurício Barbieri.

A situação desesperadora do adversário de hoje não ilude. O Marília tem apenas dois pontos em 11 partidas, é o único clube que ainda não venceu nenhuma vez no Paulista e, dependendo da combinação de resultados, pode ter sua queda decretada. O que parece tarefa fácil gera atenção. “Encaramos como uma decisão, independente da situação do adversário. Sabemos que será difícil porque matematicamente eles ainda podem escapar e vão fazer de tudo para complicar o jogo”, projeta o treinador.

O volante Allan Dias pede atenção, mas ressalta o momento da equipe e acredita numa arrancada final para conseguir a vaga. “Deram brecha para a gente chegar e agora precisamos errar o mínimo possível para conseguir alcançar a segunda posição e se firmar nela”, destaca o jogador. “Temos que fazer nossa parte e aí torcer para um tropeço do Mogi nos ajudar também”, completa. (Carlos Rodrigues/Da Agência Anhanguera)

Escrito por:

Carlos Augusto Rodrigues da Silva