Publicado 24 de Março de 2015 - 9h17

Por Rogério Verzignasse

Fotos: O editor pode usar fotos do Sábado sem Câncer, promovido pelo COC todos os anos.

Rogério Verzignasse

DA AGÊNCIA ANHANGUERA

[email protected]

Dois mutirões gratuitos para a prevenção ao câncer são programados para esta semana em Campinas. É uma boa oportunidade para que o cidadão comum faça exames e receba orientação especializada, sem gastar um tostão. O diagnóstico precoce da doença é essencial para o sucesso do tratamento.

O primeiro dos eventos começa hoje e só termina na sexta-feira, dia 27. Médicos do Hospital Celso Pierro (da PUC-Campinas) e da Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva (Sobed) promovem o 1º Mutirão para a Prevenção do Câncer Colorretal. A cada dia, serão feitos 35 exames de colonoscopia em pacientes com idades entre 50 e 75 anos de idade, já identificados pela pesquisa de sangue oculto positivo.

Dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca) de 2014 mostram que o câncer colorretal é o tipo que mais acomete as mulheres, perdendo apenas para o de mama, e o terceiro mais incidente entre os homens. Só no ano passado foram diagnosticados 30 mil casos no Brasil.

O mutirão diário de exames no Celso Pierro vai das 8h às 16h. Hoje, às 12h, os interessados podem conferir a palestra sobre prevenção de câncer colorretal no anfiteatro do hospital, que será ministrada pelo coloproctologista Silvio Augusto Ciquini.

A doença é tratável se diagnosticada precocemente, quando ainda não se espalhou para outros órgãos. É a primeira causa de câncer do aparelho digestivo e a terceira em incidência entre todos os tumores malignos no país. A maioria dos casos notificados ocorrem em quem tem mais de 50 anos de idade, com histórico familiar da doença, ou que sofrem de doença inflamatória intestinal.

Fígado

O Centro de Oncologia Campinas (COC), conhecido por realizar na cidade, anualmente, um dia de exames gratuitos de prevenção ao câncer de pele (o Sábado sem Câncer), agora programa um evento que tem o objetivo de conscientizar e alertar as pessoas sobre os perigos da hepatite e do câncer do fígado.

Os exames estão marcados para sábado, dia 28 de março, das 8h às 16h, na sede do COC, à Rua Alberto de Salvo, 311, em Barão Geraldo. Médicos especialistas nas diversas áreas da oncologia farão os exames gratuitos para detecção da doença, e o posterior tratamento dos casos detectados.

A hepatite é uma doença silenciosa, intimamente relacionada ao surgimento do câncer de fígado.

“A cura e o controle da doença estão ao nosso alcance, quando fazemos a nossa parte”, diz oncologista Fernando Medina. A doença acomete 200 milhões de pessoas no mundo. Só no Brasil, cerca de três milhões de pessoas estão infectadas com o vírus, mas só 5% delas sabem que estão infectadas.

A principal característica do câncer do fígado é que ele se se desenvolve num cenário de outra

doença grave, a cirrose hepática. O tumor geralmente é resistente à quimioterapia convencional,

com taxas de resposta extremamente baixas. O ideal é mesmo a prevenção. Cerca de 70% dos casos são diagnosticados tardiamente, o que dificulta as opções de tratamento por transplante hepático ou retirada do tumor. A cada ano, 8 mil brasileiros morrem em decorrência do câncer no fígado.

Os portadores do câncer de fígado apresentam dor abdominal, perda de peso sem explicação, perda de apetite, mal-estar, icterícia (tonalidade amarelada na pele e nos olhos) e ascite (acúmulo

de líquido no abdome).O mobilizará 30 profissionais e distribuirá senhas para que

os participantes passem pelas consultas.

Escrito por:

Rogério Verzignasse