Publicado 23 de Março de 2015 - 19h46

Por Renata Pioli

FOTOS DE HOJE

Renata Rondini

Da Agência Anhanguera

[email protected]

Disciplina e regularidade são características do volante Fernando Bob. Apesar da função exigir boa marcação e muitas vezes chegadas mais duras, o volante da Ponte Preta está desde 2011 sem receber um cartão vermelho. A última expulsão aconteceu pelo Campeonato Carioca em março de 2011quando ainda defendia o Fluminense em um duelo contra o Resende. De lá para cá, o atleta de 27 anos mostra muita confiança e tranquilidade em suas jogadas.

Neste Paulistão, ele está pendurado com dois cartões amarelos, mas também evita as advertências. Na temporada de 2013, por exemplo, quando disputou 25 partidas oficiais, foi amarelado apenas quatro vezes. O jogador garante que a tranquilidade é herança familiar.

“Sou tranquilo de natureza, minha família é muito tranquila. Mas tem jogos importantes que a gente prefere dar uma aliviada para não ser suspenso, tomar o vermelho, porque jogar com um a menos é muito ruim. Para eu que sou volante ser expulso é muito ruim”, comentou.

Até mesmo fora das quatro linhas, ele mantém a personalidade serena. “Sou supertranquilo, gosto de ficar com a família, assistir filme, sair para passear com o meu filho. Tudo muito sossegado.”

O volante chegou à Ponte Preta em meados de 2013 e se firmou na equipe na reta final da Copa Sul-Americana. Com o golaço contra o Vélez Sarsfield, na vitória por 2 a 0 na Argentina pelas quartas de final, Bob caiu na graças da torcida e ganhou até uma homenagem no estádio Moisés Lucarelli. Ele é um dos seis atletas que tem a imagem grafitada no túnel que leva ao gramado.

Ao longo de sua trajetória no Majestoso, o jogador ganhou a confiança do técnico Guto Ferreira e é um dos pilares da Macaca. Depois de rodar por alguns clubes brasileiros, o volante encontrou na Ponte Preta a sua casa.

Com a versatilidade de ajudar tanto na marcação quanto na criação, Bob é peça chave entre os titulares. E Bob reconhece que segue à risca a função de marcação, mas tem um prazer enorme em sair com a bola. “Gosto de ajudar a equipe. Jogo de primeiro volante ou de segundo, mas sempre procuro ajudar na marcação, mas gosto de sair jogando, quando a gente está com a bola corre mesmo, é sempre melhor”, afirmou.

Escrito por:

Renata Pioli