Publicado 01 de Março de 2015 - 18h12

Por Bruno Bacchetti

Bruno Bacchetti

DA AGÊNCIA ANHANGUERA

[email protected]

Depois de três jogos de jejum, o Guarani voltou a vencer no Campeonato Paulista da Série A2 em uma partida dramática. O Bugre bateu o Catanduvense por 1 a 0, ontem à tarde, no Brinco de Ouro, pela sétima partida da competição, e terminou o jogo com nove jogadores em campo. Nunes foi expulso no primeiro tempo após discutir com o juiz e Cris também recebeu o cartão vermelho no final do jogo. O gol da vitória foi marcado pelo lateral-esquerdo Bruno Pacheco, em belo chute de canhota.

Com a vitória o Bugre subiu para a sexta colocação com 13 pontos, um a menos que o quarto colocado Oeste. O elenco do Guarani terá agora a semana toda para treinar e volta a campo pela Série A2 somente no próximo sábado. O adversário será o Comercial, às 19 horas, no estádio Palma Travassos, em Ribeirão Preto.

Quem esperava por um jogo tranquilo se enganou. O Catanduvense surpreendeu o Guarani nos primeiros minutos, e ao invés da esperada retranca, foi para cima e começou agredindo o Bugre. Lento e com dificuldade na criação, o Guarani encontrava dificuldades para penetrar na defesa adversária. Mesmo sem jogar bem e com a torcida ficando impaciente, o Bugre saiu na frente aos 19. Watson cruzou da direita, a bola passou pela área e sobrou para Bruno Pacheco. O lateral ganhou da zaga e soltou uma bomba, marcando um belo gol. Quando a situação no jogo parecia confortável, o Guarani sofreu uma ducha de água fria aos 27. Nunes reclamou com o árbitro Rodrigo Pires de Oliveira a não marcação de uma falta e foi expulso, deixando a equipe com 10 jogadores em campo. O atacante, que não tinha cartão amarelo, saiu revoltado com a decisão do juiz. Com a vantagem numérica o Catanduvense voltou a ter maior posse de bola e pressionou no fim do primeiro tempo. O Bugre conseguiu se segurar e foi para o vestiário com a vitória parcial.

Não bastasse a expulsão de Nunes, o Guarani teve outra baixa na partida. O zagueiro Rafael Caldeira sofreu uma pancada na costela e não voltou para o segundo tempo, sendo substituído por Preto Costa. A estratégia bugrina era esperar o Catanduvense em seu campo de defesa para tentar encaixar um contra-ataque. E por pouco o segundo gol não veio aos 8, em três chances seguidas. Fumagalli bateu falta e o goleiro Gullherme espalmou. No rebote, Malaquias soltou uma bomba e o goleiro defendeu mais uma vez. Na sequência, Preto Costa ainda acertou a trave. Pouco depois o volante Juninho cometeu falta violenta em Watson e foi expulso, deixando os dois times com 10. Com a igualdade numérica, o Guarani passou a administrar o placar com mais tranquilidade e ainda teve chances de matar o jogo. A melhor delas foi aos 33, com Fernandinho. O meia fez bela jogada individual e o goleiro Guilherme salvou o Catanduvense. No final, Cris foi expulso e o final foi dramático para a torcida bugrina.

Frase

“Jogamos a maior parte do tempo com um a menos, conseguimos suportar e eles não tiveram nenhum chance real. Nós poderíamos ter matado o jogo, mas quando não vai na técnica, vai na raça”, Cambará, volante do Guarani.

Escrito por:

Bruno Bacchetti