Publicado 25 de Março de 2015 - 5h30

Balanço divulgado ontem pelo Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE) da Secretaria de Estado de Saúde registra 5.245 casos confirmados de dengue em Campinas este ano. Há ainda 8.414 casos notificados, que devem ser considerados confirmados uma vez que a cidade suspendeu a sorologia em todas as suas regiões anteontem, o que na prática faz com que as suspeitas de dengue sejam confirmadas apenas com exames clínicos. Esses casos podem ser descartados, no entanto, se no exame for detectado que não se trata de dengue. A sorologia é suspensa a partir de quando há 80 notificações para cada 100 mil habitantes.

No início do mês, no balanço anterior divulgado pela secretaria estadual, Campinas tinha 1.664 casos confirmados e 4.528 notificações. A base de dados estadual é alimentada com as informações fornecidas pelos municípios. O secretário de Saúde de Campinas, Carmino de Souza, afirmou que o número preocupa a Prefeitura, mas que a prioridade é tratar os pacientes já contaminados e manter a rede básica de saúde preparada. “Em um cenário com número maior de casos, o importante é evitar a morte. No entanto, nesse momento, com número grande, preciso estar com minha rede preparada para cuidar bem das pessoas”, disse.

Souza afirmou ainda que gostaria de ter mantido sorologia nas regiões onde há menos registros da dengue este ano, como a Noroeste (Cidade Satélite Íris, Jardim Florence e Parque Itajaí). No ano passado, essa área foi a mais afetada durante a maior epidemia da dengue da história da cidade, que terminou com mais de 42 mil casos.

A sorologia é colhida no sétimo dia da doença. Os exames para casos graves e óbitos relacionados à dengue continuam sendo realizados. Na região Sul de Campinas, com a maior parte dos registros de dengue este ano, são 80 casos confirmados por cada 100 mil, segundo o secretário. No entanto, a secretaria sente uma redução do número de casos na região. A área que preocupa agora é a Sudoeste (DICs) e algumas na região Norte (São Marcos, Jardim Eulina). A região Leste vem em terceiro lugar, principalmente no Taquaral.

Mortes

Campinas tem confirmada uma morte causada pela doença e outras quatro estão sendo apuradas. Outras duas pessoas morreram em hospitais da cidade doentes de dengue, mas foram infectadas em outros municípios, informou a Secretaria de Saúde. Os pacientes eram de Votorantin e Águas de Lindoia.

Medidas

A Prefeitura montou alas especiais em unidades de saúde com o objetivo de atender pacientes com suspeita de dengue e, além disso, tornou a prevenção à doença um assunto de responsabilidade de diversas secretarias. Diariamente, segundo a Administração, as equipes de saúde retiram 3 mil toneladas de criadouros nas operações cata-treco e mais de 20 mil caixas d’água já foram teladas em todo o município.

Em agosto de 2014 foi criado o Comitê Gestor Municipal de Prevenção e Controle da Dengue e Chikungunya, espaço que potencializa de forma intersetorial as ações de combate às duas doenças. A partir deste fórum, diversas ações de prevenção, controle e mobilização social foram reforçadas e iniciativas inéditas foram agregadas ao trabalho. A Prefeitura estabeleceu parceria também com o Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci) para fiscalização dos 15 mil imóveis colocados para locação ou à venda na cidade. Todos os endereços serão visitados com o objetivo de remover potenciais criadouros.