Publicado 23 de Março de 2015 - 5h30

[TEXTO]O nível do Sistema Cantareira, que abastece mais de 5 milhões de pessoas em São Paulo, registrou a 16 alta consecutiva ontem, conforme dados da Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo). O reservatório subiu 0,3 ponto percentual em relação a sábado, alcançando 16,6%. Mesmo conforme o novo cálculo adotado pela Sabesp, de divisão do volume armazenado sobre o total (o outro índice é sobre o volume útil), o Cantareira subiu para 12,9% de sua capacidade, 0,2 ponto porcentual a mais do que anteontem.

Os outros cinco mananciais responsáveis pelo fornecimento hídrico em São Paulo também estão com níveis maiores. O Alto Tietê foi de 22,5% para 22,7%; o Guarapiranga passou de 81,5% para 83%; o Sistema Alto Cotia passou de 61,5% para 62,2%. Rio Grande teve leva alta, de 98% para 98,1% e o Rio Claro cresceu de 41,1% para 41,3%. O Sistema Cantareira deixou de ser, em fevereiro — pela primeira vez desde sua criação, em 1973 — o principal fornecedor de água da região metropolitana de São Paulo, posto assumido agora pelo Sistema Guarapiranga.

Atibaia

Durante o final de semana, a vazão do Atibaia, em Campinas, também apresentou índices considerados muito bons. No sábado, na captação de Campinas, o manancial registrou vazão de 42,10 metros cúbicos por segundo (m3/s), segundo dados da Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento (Sanasa). Ontem, a vazão caiu para 35,92m3/s, as 16h30. Segundo o coordenador de comunicação da Sanasa, Marcos Lodi, mesmo com a entrada do Outono, na sexta-feira, o rio está em situação confortável.

Além da chuva dos últimos dias, Lodi atribui esse conforto à redução da retirada de água do Sistema Cantareira para abastecimento da região metropolitana de São Paulo. “São Paulo retira do Cantareira hoje em torno de 10 a 11m3/s. Antes retirava de 37m3/s a 38m3/s. Para nossa região, como o rio está confortável, estamos tirando 300 litros por segundo”, afirmou. Ele lembra, entretanto, que se deve manter a economia de água.

Chuva

Campinas registrou 35 milímetros de chuva entre a noite de sábado e a madrugada de ontem. O acumulado dos últimos três dias foi de 38 milímetros. A região onde mais choveu foi a Sudoeste, mas não houve registro de transtornos. “É um volume bastante considerável, mas foi constante, não em forma de temporal”, afirmou Sidnei Furtado, diretor regional da Defesa Civil de Campinas. (Com informações da Agência Estado)[/TEXTO]