Publicado 01 de Março de 2015 - 5h30

As obras de revitalização que começaram ontem na Avenida Francisco Glicério, no Centro de Campinas, causaram alguns transtornos para a população que usa o transporte público. A falta de informações e agentes de trânsito para orientarem as pessoas deixaram usuários de ônibus esperando em pontos que, por causa dos trabalhos, não serão mais usados no embarque e desembarque de passageiros. A principal reclamação foi a falta de avisos de mudança de itinerário. A atendente comercial Gisele Ramos, que usa o transporte público a partir da Avenida Orosimbo Maia, não estava sabendo das alterações. “Eu ia ficar esperando aqui até alguém passar. Devia ter pelo menos uma placa informando que os ônibus vão passar em outro ponto.” Já para Adriana Araujo, o maior problema é o trânsito. “O movimento é sempre agitado e normalmente já tem trânsito, imagina agora.” Com o cruzamento entre Glicério e Orosimbo Maia totalmente interditado desde as 7h, a região central de Campinas apresentou lentidão no trânsito, mas segundo a Prefeitura, até o início da tarde não havia nenhuma ocorrência de acidentes e nem congestionamentos. Quanto à divulgação dos itinerários, o Executivo informou que os novos locais para os ônibus foram amplamente divulgados desde o anúncio das obras pelo site da Prefeitura, Emdec e pela imprensa. As informações estão disponíveis no site www.emdec.sp.gov.br. Em toda a frota de ônibus, mais de 50 linhas tiveram seus pontos de embarque alterados. Os coletivos que passavam pela Glicério sentido a Rua Benjamin Constant tiveram o embarque alterado para o ponto da própria Benjamin. As linhas que percorriam a pista interna da Orosimbo foram deslocadas para a pista externa da mesma via apenas no final de semana. E os usuários que trafegam pela Glicério entre a Orosimbo e a Rua Marechal Deodoro deverão utilizar o ponto mais próximo da Rua Delfino Cintra para o embarque. As obras serão feitas nas avenidas Francisco Glicério e Orosimbo Maia e nas ruas Visconde de Taunay e Sacramento. Para acessar a Glicério, o caminho alternativo é a Delfino Cintra. (Ana Nickel/Especial para a AAN)