Publicado 27 de Março de 2015 - 5h30

A torcida do Corinthians não exagera quando diz: "caiu em Itaquera, já era". Os números comprovam que os adversários sofrem quando enfrentam o time alvinegro no seu novo estádio. Com a vitória por 5 a 3 sobre o Penapolense, ontem, pela 12 rodada do Campeonato Paulista, a equipe chegou à marca de 27 jogos de invencibilidade no Itaquerão.

Assim, o Corinthians superou a sua maior série sem derrotas no estádio do Pacaembu, obtida em 2008 e 2009, e a arena está agora atrás apenas do Parque São Jorge no quesito invencibilidade corintiana. Na Fazendinha, o clube alvinegro ficou sem perder durante 49 jogos em 1956 e 1960.

O Corinthians chegou ontem ao 27 jogo sem derrota em casa com uma atuação avassaladora, sobretudo no primeiro tempo. A equipe soube se impor diante do frágil Penapolense e aniquilou o adversário. Com 30 minutos, o placar já estava 4 a 0. E, pelo volume do jogo apresentado pelos donos da casa, o time poderia ter feito mais.

O massacre começou logo aos 9’, quando Guerrero aproveitou o rebote do goleiro após chute de Renato Augusto e só teve o trabalho de empurrar a bola para o fundo da rede. Nem deu tempo de o Penapolense absorver o golpe e dois minutos depois a equipe já levou o segundo gol. Renato Augusto cobrou escanteio pela esquerda e o zagueiro Yago desviou de cabeça.

O time do Interior se segurou como pôde até os 26 minutos, quando Emerson marcou um golaço. O atacante recebeu bom passe de Guerrero e bateu com curva, no ângulo. Perdidos em campo, os jogadores do Penapolense corriam atrás da bola desnorteados enquanto os corintianos trocavam passes de pé em pé, calmamente. Sem precisar fazer muita força, o Corinthians marcou o quatro gol na sequência. Aos 30, Jadson fez boa jogada e tocou na medida para Petros encher o pé.

O apetite do Corinthians continuou no segundo tempo e, aos 7’, Guerrero marcou o seu segundo gol na partida, o quinto da equipe.

O time alvinegro só diminuiu o ritmo quando cansou — foi o terceiro jogo do Corinthians pelo Paulistão em apenas cinco dias. A defesa relaxou e permitiu que o Penapolense fizesse três gols, com Crislan (duas vezes) e Luis Gustavo. A reação, no entanto, não foi além e o jogo se arrastou até o apito final sem sustos para os corintianos. (AE)

CORINTHIANS

Cássio; Fagner, Yago, Edu Dracena e Uendel; Ralf, Petros (Bruno Henrique), Renato Augusto e Jadson; Emerson (Malcom) e Guerrero (Vagner Love). Técnico: Tite.