Publicado 26 de Março de 2015 - 5h30

Com grande atuação de Dudu e Rafael Marques, autor de dois gols, e um golaço de Robinho por cobertura, o Palmeiras goleou o São Paulo por 3 a 0, ontem, e venceu o seu primeiro clássico no ano com uma autoridade ímpar. A única desculpa do São Paulo foi a expulsão de Rafael Toloi no início, mas o time ainda não venceu nem fez gol diante dos principais rivais na temporada.

A defesa são-paulina entregou o ouro logo de cara. Na data redonda de seu 1.200 jogo, Rogério Ceni devolveu a bola nos pés de Robinho, aos 3’. O meia teve presença de espírito e fez um belo gol por cobertura. Golaço. Vale replay até na palavra. Golaço. Cinco minutos depois, Dudu foi esperto e provocou o zagueiro Rafael Toloi. O beque deu de volta e o árbitro viu. Por causa do revide, levou o vermelho. Dudu ficou sem punição pela cotovelada.

Existem situações em que um time com 10 consegue correr pelo ausente. Com o São Paulo, foi o contrário. Poucas vezes um time com um a menos se desmontou de um jeito tão irreversível, como um castelo de areia. Antes dos 10 minutos, o clássico estava decidido. O técnico Muricy Ramalho tentou a gambiarra de escalar Hudson na zaga e inventou em Ganso um volante. Depois, colocou Edson Silva no lugar de um sumido Alexandre Pato. Vale lembrar que Alan Kardec foi escalado no lugar de Luis Fabiano, fora por causa de uma lesão muscular. Seis por meia dúzia, ou melhor, zero por zero.

Problemas na marcação da direita, falta de criatividade na esquerda. Era o Palmeiras que tinha 13 em campo. A tática do São Paulo era tocar de lado e rezar para a poeira assentar. Repetia-se o vareio que o time levou do Corinthians na estreia da Copa Libertadores.

A poeira só aumentou. As chances do Palmeiras foram se somando de acordo com os ponteiros do relógio. Aos 15’, Rogério Ceni fez duas defesas seguidas, redenção vã da lambança inicial. Aos 23’, Rafael Marques redigiu a crônica de uma morte anunciada. Depois de belo passe de Dudu, o atacante ajeitou e marcou.

Não foi apenas o jogo de um time só, mas também de uma torcida só. Indignada com os R$ 200 cobrados pelo ingresso, a torcida organizada do São Paulo fez um boicote. Menos de 200 foram à arena e acabaram soterrados pelo coral verde, metáfora da própria partida.

Existia algo de subjetivo na superioridade alviverde. Não foi só por causa de Rafael Toloi expulso. O Palmeiras tinha uma vontade aguda de encerrar a "zica" de não vencer clássicos, simples assim. Não houve intervalo, ou seja, os donos da casa começaram do ponto em que pararam. O jogo só existia à frente da zaga do São Paulo. Aos 7’, Zé Roberto cruzou e Rafael Marques fez o terceiro, de primeira.

Os lances se seguiram perigosos, principalmente depois que Michel Bastos foi expulso aos 33’, mas o Palmeiras tirou o pé e curtiu o "olé" da torcida. Os oito torcedores são-paulinos que sobraram como visitantes — deu para contar no dedo — soltaram os ombros de alívio quando o árbitro Vinícius Furlan pôs o fim a uma noite inesquecivelmente triste.

PALMEIRAS

Fernando Prass; Lucas, Tobio, Vitor Hugo e Zé Roberto; Gabriel, Arouca, Robinho (Alan Patrick), Dudu (Leandro Pereira) e Rafael Marques; Cristaldo (Gabriel Jesus). Técnico: Oswaldo de Oliveira.