Publicado 23 de Março de 2015 - 5h11

Relógio começou a apresentar problemas após ser atingido por raio

Carlos Sousa Ramos/ AAN

Relógio começou a apresentar problemas após ser atingido por raio

Após seis meses de conserto na parte eletrônica e reforço na estrutura metálica, o relógio do reservatório elevado do bairro Castelo, em Valinhos, voltou a funcionar esta semana.

 

A população valinhense ganhou novamente o ponto de referência geográfica, climática e do tempo, que há 15 anos foi instalado no alto da caixa d’água de 38 metros do Departamento de Água e Esgoto de Valinhos (Daev).

O departamento anunciou que em breve, além do relógio como referência, a torre do reservatório ganhará nova iluminação e pintura.

Com oito metros de largura por 2,5 metros de altura e cerca de quatro toneladas, o equipamento tem três faces e pode ser avistado de toda a cidade, além de partes de Vinhedo e Campinas. Após um raio que o atingiu durante forte temporal, na metade do ano passado, sua funcionalidade começou a apresentar defeitos constantes.

 

A empresa permissionária do espaço foi acionada pelo Daev e providenciou o conserto, realizado por uma terceirizada, que substituiu componentes eletrônicos e reforçou a parte metálica, que também havia sido danificada.

“É o reservatório mais antigo de Valinhos, e ponto de referência para muitos moradores. Até para mim, já virou hábito olhar para o relógio para saber as horas”, relatou o presidente do Daev, Luiz Mayr Neto.

 

“Qualquer problema com o relógio as pessoas ligam no Daev para saber o que acontece. É curioso ver essa relação dos moradores com o relógio”, expôs.

História

Segundo ele, a licitação para a revitalização do “Castelo” já foi finalizada e nas próximas semanas está prevista a colocação de quatro holofotes que iluminarão a estrutura, além de pintura em azul e branco, cores da autarquia.

 

O relógio digital foi instalado no topo do reservatório do Castelo em 18 de dezembro de 1999. O equipamento entrou em operação no primeiro minuto do ano 2000, na Festa de Réveillon promovido pela Prefeitura na Praça Washington Luiz.

Antes de o relógio ser instalado, o reservatório foi reformado por meio de parceria entre o Daev e a empresa de telefonia móvel Tess (depois BCP e atual Claro), que arcou com os custos da operação, cerca de R$ 250 mil.

 

A construção recebeu pintura para receber o equipamento. Em troca, segundo o presidente da autarquia, a então Tess foi autorizada a instalar uma estação de rádio base retransmissora de telefonia celular e intercalar sua marca no relógio digital — que funciona via satélite —, entre a exibição da hora certa e da temperatura.

 

A Prefeitura também exigiu também que a empresa construísse a Praça Brasil 500, localizada no Centro Valinhos.

Os trabalhos de reforma do Castelo foram divididos em duas etapas: a interna, com a revitalização e pintura, e a externa, com a recuperação de trincas. Depois, o reservatório recebeu a nova pintura nas cores branco e azul, padrão do Daev, mas que já se apresenta bastante gastada pela ação do tempo.