Publicado 02 de Março de 2015 - 12h22

Por Marcelo Rocha

Equipe da EEP apresenta o protótipo off-road: ?Design funcional e arrojado para um desempenho melhor?

Del Rodrigues/ AAN

Equipe da EEP apresenta o protótipo off-road: ?Design funcional e arrojado para um desempenho melhor?

A equipe de 14 alunos da Escola de Engenharia de Piracicaba (EPP) apresentou o seu protótipo de veículo off-road (significa fora da estrada; termo em inglês utilizado para designar atividades esportivas praticadas em locais que não possuem estradas pavimentadas ou em caminhos de difícil acesso) à imprensa no último sábado (28), na minioficina baja da faculdade. 

 

A equipe é a única instituição de ensino que representa a cidade na 21ª Competição Baja SAE Brasil, que acontece entre os dias 5 e 8 de março, no Esporte Clube Piracicabano de Automobilismo (ECPA).

A Baja SAE Brasil é disputa estudantil que põe à prova veículos off-road desenvolvidos por estudantes de engenharia de todo o Brasil (eventualmente, de universidades estrangeiras). Nela, os concorrentes encaram provas dinâmicas (conforto, aceleração, dirigibilidade, velocidade, suspensão e tração), de resistência e inspeções técnicas.

Em 2015, um total de 76 equipes participam da disputa tecnológica. Aroximadamente 1.200 estudantes estarão envolvidos no evento. 

 

O capitão da equipe piracicabana, Carlos Eduardo Gualdi, 28 anos, que é conhecido como Kadu, diz que “a expectativa é ir para pegar experiência, porque a maioria do pessoal nunca participou do SAE Brasil”. “Mas se a gente chegar na prova de enduro, no final, já estaremos entre os 20 primeiros . Isso já seria um bom desempenho, acredito”, avalia.

O projeto do baja off-road da EEP - que envolve alunos dos cursos de engenharia mecânica, mecatrônica e de produção - foi iniciado há cerca de um ano. “Mas a fabricação, propriamente dita, começou há uns quatro meses”, observa Kadu, que é aluno de engenharia mecatrônica.

Na opinião de Kadu, o diferencial do protótipo dos alunos da EEP é o “design funcional”. “Se você der uma boa olhada nos outros carrinhos (concorrentes), verá que eles são muito mais quadrados do que esse. O nosso tem, por exemplo, um bom espaço interno, a lateral bem aberta para espalhar a lama e uma suspensão dianteira que trabalha muito”, lista Kadu. “Ele tem um design arrojado para um desempenho melhor”, acrescenta.

O projeto automobilístico contou com a supervisão de três professores coordenadores dos cursos de engenharia: André de Lima (produção), Hamilton Torrezan (mecânica) e Anderson Rossi (mecatrônica).

Em 2014, nenhuma equipe piracicabana participou do Baja SAE Brasil.

Escrito por:

Marcelo Rocha