Publicado 25 de Março de 2015 - 18h24

Por Raquel Valli

Os recém-nascidos não têm nem dez dias de vida, e vão morrer logo se não forem resgatados, explica a protetora Larissa Alves, do OperaCÃO Resgate

OperaCÃO Resgate

Os recém-nascidos não têm nem dez dias de vida, e vão morrer logo se não forem resgatados, explica a protetora Larissa Alves, do OperaCÃO Resgate

Uma cachorra deu à luz nove filhotes em frente a uma empresa na região da Rodovia Santos Dumont, em Campinas, e está sendo alimentada por vizinhos para não morrer de fome. "Os recém-nascidos não têm nem dez dias de vida, e vão morrer logo se não forem resgatados", explica a protetora Larissa Alves, do OperaCÃO Resgate

 O grupo recebeu a denúncia por WhatsApp e pretende salvá-los, mas para isso precisa de um lar temporário para esses animais. A entidade não tem abrigo e já está com outros resgatados distribuídos por clínicas e hoteizinhos da cidade.

 

"Precisamos que alguém os abrigue para podermos vaciná-los, castrar a mãe e depois colocarmos todos eles para adoção", completa Larissa. O grupo precisa também de doações específicas para os recém-nascidos (quadro abaixo). 

A fim de levantar recursos (para esse e para outros casos), as protetoras vendem camisetas, chaveiros, nécessaire e pulseiras com o logo do grupo.

 

"Toda ajuda é bem-vinda", conta a fundadora Marjorie Rodrigues. "Se alguém quiser doar brindes ou até nos patrocinar será muito bem-vindo".  

A próxima feira de adoção do grupo será neste sábado (28) das 9h às 13h no Nina Dogs (Rua São Bento, 140, Jd. Nossa Senhora Auxiliadora – próximo ao antigo kartódromo da Lagoa do Taquaral).  

 

Foto: Eduardo Barroso/ Departamento de Arte/ RAC

Escrito por:

Raquel Valli