Publicado 24 de Março de 2015 - 14h00

Por Zeza Amaral

ZEZA

CEDOC

ZEZA

Vivemos o Brasil do futebol com o pagar das contas de todos os clubes do país, desde a falta de competência administrativa até o bom negócio de lavar dinheiro. Segundo os números oficiais, os grandes clubes brasileiros são responsáveis por uma dívida de 5,6 bilhões de reais, por falta de pagamentos de impostos de renda e trabalhistas. Fico imaginando o pequeno comerciante da esquina de casa, dono de uma lojinha de aviamentos, que tem o seu CPF bloqueado por conta de um erro contábil na última declaração de renda. Aliás, eu mesmo tive o meu CPF bloqueado pelo mesmo motivo. Detalhe: sempre estive naquele lote de restituição de Imposto de Renda, visto que não tenho nada na vida, nem mesmo um terreninho de 3 por quatro. E quando fui buscar meu remédio de hipertenso na farmácia, estava lá: CPF bloqueado. Nem tanto pelo remédio, que custa nove reais, mas pelo meu direito de cidadão que contribui com o país há mais de sessenta anos.

 

Os grandes clubes não pagam seus impostos há décadas e continuam entrando em campo como se impolutos fossem, pagando pequenas fortunas mensais a seus profissionais que, é claro, não têm culpa se diretores de futebol acham que eles são grandes craques. E ficamos nós nas arquibancadas, em vão, torcendo para que eles façam alguma jogada que justifique seus salários.

 

Merda de vida a de torcedor, sempre achando, até o último minuto, que virá um gol redentor. Rima idiota, rima pobre, que sempre retornará no próximo jogo, uma amnésia perenal, de um jogo que mais parece aquela máquina de lavar roupas que nos dá um conforto idiota, pois suja-se a roupa e tudo volta ao ponto inicial.

 

Há uma lei na Constituição do país que dá autonomia aos setores esportivos do país, quase uma licença 007 para delinquir, para roubar impostos da nação. Quatro projetos de lei para moralizar essa sem-vergonhice já tramitaram pelas arquibancadas da Câmara Federal e até agora o que temos é um arremedo de arrependimento de cartolas, visto que, e diante de, algo deve ser feito — o que não significa absolutamente nada!

 

A receita bruta do Campeonato Mundial de 2014 atingiu cerca de R$ 16 bilhões, e, segundo informações da própria entidade, a Fifa, foi a maior arrecadação da história dos mundiais. Agora, vejamos: a Fifa foi isenta de impostos federais brasileiros em mais de R$ 1 bilhão. E os cerca de dez maiores clubes do país devem cerca de R$ 6 bilhões.

 

Quem puder que pague, mas oitenta reais para torrar em uma partida de futebol, bem, isso deve ser coisa pra petista petroleiro ou consultor de lavanderia de dinheiro. Tô fora.

Escrito por:

Zeza Amaral