Publicado 27 de Março de 2015 - 8h45

crise hídrica, água, Cantareira, crise hídrica, Sabesp, seca, sudeste, correio popular, Sanasa, saúde, riscos

César Rodrigues/ AAN

crise hídrica, água, Cantareira, crise hídrica, Sabesp, seca, sudeste, correio popular, Sanasa, saúde, riscos

A prometida campanha pelo uso racional da água, que seria lançada pelo governo federal, provocou uma disputa na Esplanada dos Ministérios. A demora no lançamento da campanha está relacionada a uma divergência de opinião entre a Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (Secom) e o Ministério do Meio Ambiente (MMA), o que fez o material ser reformulado.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo apurou, o nó está na abordagem do tema: a Secom queria explicitar no material que o aquecimento global seria uma das principais causas da crise hídrica que castiga o Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste. O MMA, no entanto, foi contra a ideia, por entender que poderia entrar em um vespeiro científico.

A tese dos impactos do aquecimento global não é consenso há anos e divide a comunidade científica internacional. Para o Meio Ambiente, a campanha tem de falar sobre o uso consciente da água e não entrar em defesa de teorias científicas em plena rede nacional.

O acompanhamento de peças publicitárias era uma das atribuições do jornalista Thomas Traumann, que pediu demissão da chefia da Secom na quarta-feira, após o jornal O Estado de S. Paulo revelar o conteúdo de um documento reservado do Planalto, que vê "caos político" e critica a "comunicação errática" do governo federal.

Por enquanto, a presidente Dilma Rousseff não definiu o sucessor de Traumann. Não está definido também se será mantido o atual modelo da secretaria ou se suas funções serão atribuídas a um auxiliar palaciano para cuidar exclusivamente das funções da publicidade, enquanto a Secretaria de Imprensa cuidaria da relação com a mídia. Essas indefinições devem atrasar ainda mais a reformulação do material educativo.

Resposta

Procurada pela reportagem, a Secom informou que "não há ainda nenhum andamento de ação publicitária para a sociedade sobre o uso racional de água". A secretaria disse que recebeu solicitação do Ministério do Planejamento para "ajudar na disseminação de conceitos de economia de luz e água para órgãos públicos federais" e essa iniciativa "ainda está na fase de planejamento". O MMA disse que não há divergência entre os órgãos e o processo de definição da campanha segue seu curso normal.